segunda-feira, 31 de março de 2014

Foto do Rio São Francisco: BARCA DE TOLDA


Na primeira metade do século XX, as barcas que navegavam pelo Rio São Francisco eram, ainda, movidas a vela e a remo.
Foto: Marcel Gautherot

Enchente do Rio São Francisco - 1979 - Praça do Mercado em Xique-Xique (BA).


A cheia do Rio São Francisco no ano de 1979 foi uma das maiores que atingiu Xique-Xique (BA). Grande parte da cidade ficou submersa, principalmente as ruas perto da margem do rio, normalmente destinadas a estabelecimentos comerciais.
A foto registra o  lado sul do Mercado Municipal, totalmente tomado pelas águas e uma grande barca ancorada  em frente a uma das suas portas.
Foto: Afonso

Adutora do São Francisco: CIDADE DE XIQUE-XIQUE (BA).


                  ADUTORA DO RIO SÃO FRANCISCO EM XIQUE-XIQUE (BA).



 Cidade de Xique-Xique (BA), local da captação da água.
 Xique-Xique (BA), cidade na margem do Rio São Francisco, fornecedora da água.
 

Centro Histórico da cidade de Xique-Xique (BA).


A Adutora vara a seca caatinga, paralela à rodovia BA.52 (Xique-Xique  a Salvador).. 



Captação da água em Xique-Xique (BA).
     Com investimento de R$ 182 milhões de reais, foi inaugurada em maio de 2013, "Adutora do Rio São Francisco" que, partindo da cidade de  Xique-Xique (BA), onde capta água do Rio São Francisco, é uma das maiores do Estado e vai abastecer mais de 330 mil pessoas em dezesseis municípios situados na região da caatinga baiana, entorno do Município de Irecê (BA).
      A partir da captação da água em Xique-Xique (BA), primeira etapa, foram implantadas cinco estações elevatórias e, em Itaguaçu da Bahia (BA), uma Estação de Tratamento de Água (ETA).
       A Adutora do Rio São Francisco foi realizada em três etapas: a primeira de Xique-Xique (BA) até Itaguaçu da Bahia (BA); a segunda fase compreende o trecho  entre Itaguaçu da Bahia (BA)  e a cidade de Central (BA), a 75 km de Xique-Xique (BA). A terceira etapa da obra  vai da cidade de Central (BA) até a cidade de Irecê (BA).
      Da captação em Xique-Xique (BA)  a água destinada à população da região beneficiada vai percorrer 122 quilômetros e foi a alternativa encontrada para o atendimento das  16 cidades situadas na  caatinga baiana que vêm sofrendo com a falta de chuvas.



Adutora rasga a caatinga rumo às 16 cidades sem água

História de Xique-Xique (BA): CRIAÇÃO DO MUNICÍPIO


O município de Xique-Xique (BA)  foi criado no dia 06 de julho de 1832

O Conselho Provincial da Bahia assinou um Decreto em 06 de julho de 1832 transformando a Freguesia de Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique em  Município autônomo, desmembrado  do município de Jacobina (BA).
Nessa época Presidia o Conselho Provincial da Bahia  Dr. Joaquim José Pinheiro de Vasconcelos – Visconde Mont’Serrat – (04.06.1831-10.12.1834), que determinou em Ato que a Câmara Municipal de Paratinga (BA) se deslocasse até Xique-Xique (BA) e promovesse a solenidade de instalação, fato ocorrido em 23 de outubro de 1834. Essa  ata de instalação, guardada e preservada no Arquivo Público do Estado da Bahia, em Salvador, registra o nome oficial na data de instalação: 06 de julho de 1832.
A primeira Câmara Municipal de  Xique-Xique (BA) foi formada por sete vereadores, naquele ano de 1834 e teve a seguinte composição: Capitão-Mor Álvaro Antônio de Campos, Antônio Joaquim de Novais Sampaio, Ernesto Augusto da Rocha Medrado, João Xavier da Costa, Clemente Sancho Pereira da Franca, Manoel Netto Martins – que foi o primeiro Juiz de Paz Municipal – e Francisco Antônio da Rocha.
Serviu como secretário o vereador Antônio Joaquim de Novais Sampaio, que lavrou o importante ata de instalação.
Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique", de Cassimiro Neto
56

domingo, 30 de março de 2014

Evangelho Dominical: CURA DO CEGO DE NASCENÇA


        Evangelho de São João  9, 1-41
1. Caminhando, viu Jesus um cego de nascença.
2. Os seus discípulos indagaram dele: Mestre, quem pecou, este homem ou seus pais, para que nascesse cego?
3. Jesus respondeu: Nem este pecou nem seus pais, mas é necessário que nele se manifestem as obras de Deus.
4. Enquanto for dia, cumpre-me terminar as obras daquele que me enviou. Virá a noite, na qual já ninguém pode trabalhar.
5. Por isso, enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo
6. Dito isso, cuspiu no chão, fez um pouco de lodo com a saliva e com o lodo ungiu os olhos do cego.
7. Depois lhe disse: Vai, lava-te na piscina de Siloé (esta palavra significa emissário). O cego foi, lavou-se e voltou vendo.
8. Então os vizinhos e aqueles que antes o tinham visto mendigar perguntavam: Não é este aquele que, sentado, mendigava?
9. Respondiam alguns: É ele. Outros contestavam: De nenhum modo, é um parecido com ele. Ele, porém, dizia: Sou eu mesmo.
10. Perguntaram-lhe, então: Como te foram abertos os olhos?
11. Respondeu ele: Aquele homem que se chama Jesus fez lodo, ungiu-me os olhos e disse-me: Vai à piscina de Siloé e lava-te. Fui, lavei-me e vejo.
12. Interrogaram-no: Onde está esse homem? Respondeu: Não o sei.
13. Levaram então o que fora cego aos fariseus.
14. Ora, era sábado quando Jesus fez o lodo e lhe abriu os olhos.
15. Os fariseus indagaram dele novamente de que modo ficara vendo. Respondeu-lhes: Pôs-me lodo nos olhos, lavei-me e vejo.
16. Diziam alguns dos fariseus: Este homem não é o enviado de Deus, pois não guarda sábado. Outros replicavam: Como pode um pecador fazer tais prodígios? E havia desacordo entre eles.
17. Perguntaram ainda ao cego: Que dizes tu daquele que te abriu os olhos? É um profeta, respondeu ele.
18. Mas os judeus não quiseram admitir que aquele homem tivesse sido cego e que tivesse recobrado a vista, até que chamaram seus pais.
19. E os interrogaram: É este o vosso filho? Afirmais que ele nasceu cego? Pois como é que agora vê?
20. Seus pais responderam: Sabemos que este é o nosso filho e que nasceu cego.
21. Mas não sabemos como agora ficou vendo, nem quem lhe abriu os olhos. Perguntai-o a ele. Tem idade. Que ele mesmo explique.
22. Seus pais disseram isso porque temiam os judeus, pois os judeus tinham ameaçado expulsar da sinagoga todo aquele que reconhecesse Jesus como o Cristo.
23. Por isso é que seus pais responderam: Ele tem idade, perguntai-lho.
24. Tornaram a chamar o homem que fora cego, dizendo-lhe: Dá glória a Deus! Nós sabemos que este homem é pecador.
25. Disse-lhes ele: Se esse homem é pecador, não o sei... Sei apenas isto: sendo eu antes cego, agora vejo.
26. Perguntaram-lhe ainda uma vez: Que foi que ele te fez? Como te abriu os olhos?
27. Respondeu-lhes: Eu já vo-lo disse e não me destes ouvidos. Por que quereis tornar a ouvir? Quereis vós, porventura, tornar-vos também seus discípulos?...
28. Então eles o cobriram de injúrias e lhe disseram: Tu que és discípulo dele! Nós somos discípulos de Moisés.
29. Sabemos que Deus falou a Moisés, mas deste não sabemos de onde ele é.
30. Respondeu aquele homem: O que é de admirar em tudo isso é que não saibais de onde ele é, e entretanto ele me abriu os olhos.
31. Sabemos, porém, que Deus não ouve a pecadores, mas atende a quem lhe presta culto e faz a sua vontade.
32. Jamais se ouviu dizer que alguém tenha aberto os olhos a um cego de nascença.
33. Se esse homem não fosse de Deus, não poderia fazer nada.
34. Responderam-lhe eles: Tu nasceste todo em pecado e nos ensinas?... E expulsaram-no.
35. Jesus soube que o tinham expulsado e, havendo-o encontrado, perguntou-lhe: Crês no Filho do Homem?
36. Respondeu ele: Quem é ele, Senhor, para que eu creia nele?
37. Disse-lhe Jesus: Tu o vês, é o mesmo que fala contigo!
38. Creio, Senhor, disse ele. E, prostrando-se, o adorou.
39. Jesus então disse: Vim a este mundo para fazer uma discriminação: os que não vêem vejam, e os que vêem se tornem cegos.
40. Alguns dos fariseus, que estavam com ele, ouviram-no e perguntaram-lhe: Também nós somos, acaso, cegos?...
41. Respondeu-lhes Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado, mas agora pretendeis ver, e o vosso pecado subsiste.

 

Recordando as Copas: 1962 - Chile

Chile - Estádio Nacional
                  COPA DE 1962 
A consagração de Garrincha
          
A sétima Copa, com 32 jogos e 89 gols,  foi realizada no Chile, no ano de 1962, ocasião em que o Brasil sagrou-se bicampeão mundial. O jogo final foi realizado contra a  Tchecoslováquia que perdeu por 3 x 1.
Em maio de 1960, o Chile foi atingido por um grande terremoto e por isso a Copa foi realizada em quatro estádios - Santiago do Chile, Vinha del Mar, Roncagua e Arica -  em vez dos oito planejados.
 Pelé se machucou logo no segundo jogo, um O x O contra a Tchecoslováquia. Coube ao goleador Amarildo e a Garrincha, o craque da Copa, suprirem sua ausência. Na semifinal contra o Chile, Garrincha fez dois gols e comandou a vitória brasileira por 4 a 2. No fim do jogo, porém, acabou expulso. A sorte foi que o juiz não relatou na súmula. Sem provas da suspensão, o ponta foi liberado para jogar a final.
O destaque era o Estádio Nacional de Santiago, com as montanhas cobertas de neve da Cordilheira dos Andes ao fundo como cenário. O Brasil entrou em campo para defender o título. Depois de encantar o mundo em 1958, Pelé chegou ao Chile já com status de gênio da bola aos 21 anos de idade.
Uma contusão do craque logo na segunda partida, no entanto, obrigou a Seleção Brasileira a procurar outras alternativas.  E o Brasil tinha pelo menos dois trunfos para levar o bicampeonato: o intempestivo Garrincha e Amarildo, o Possesso, designado para substituir o camisa 10.    
Aos 25 anos, no auge da carreira, Garrincha fez de tudo nos gramados chilenos, naquele que depois seria reconhecido como o maior momento do Anjo de Pernas Tortas. Ele marcou quatro gols no torneio e foi descrito pelo jornal francês L'Equipe como "o ponta-direita mais extraordinário que o futebol já conheceu."
A base da delegação brasileira era de campeões mundiais em 1958, mas com um novo comandante: o técnico Aymoré Moreira, que assumiu o cargo por causa dos problemas de saúde de Vicente Feola. Irmão de Zezé Moreira, que havia dirigido o Brasil em 1954 na Suíça, Aymoré apostou no esquema tático 4-3-3. No primeiro jogo, vitória de 2 x 0 sobre o México, com gols de Zagallo e Pelé. Mas contra a Tchecoslováquia, Pelé deixou o campo com uma lesão na coxa esquerda.
Diante da Espanha, que contava com o húngaro naturalizado Puskas, o Brasil teve dificuldades: saiu atrás com um gol de Adelardo Rodriguez. Mas foi justamente o substituto de Pelé que salvou a pátria. Amarildo fez dois gols e decretou a vitória por 2 x 1.
O adversário das quartas de final foi a Inglaterra. O jogo teve direito até a um cachorro que invadiu o campo, mas quem brilhou mesmo foi o endiabrado Garrincha. Ele abriu o placar, cobrou a falta que resultou no segundo gol, de Vavá, e fechou a conta com um petardo de fora da área: 3 x 1 Brasil.
Os anfitriões contavam com 80 mil vozes a favor para levá-los à final, mas o que os chilenos viram na semifinal foi mais um show de Garrincha. Ele marcou dois gols e ajudou o Brasil a golear por 4 x 2. Vavá fez os outros tentos brasileiros no jogo. A seleção chilena teria de se contentar com o terceiro lugar.
Na final, de novo a Tchecoslováquia. Os comandados de Rudolf Vytlacil haviam empatado com o Brasil na primeira fase, mas na final eram claramente os azarões. Mesmo assim, foram os tchecos que abriram o marcador, com Josef Masopust, meia que receberia o prêmio Bola de Ouro da revista France Football no final daquele ano.
A alegria durou pouco. Dois minutos depois, Amarildo enganou o goleiro Schroif com um chute quase sem ângulo pelo lado esquerdo. No segundo tempo, Amarildo cruzou para Zito arrematar de cabeça, virando o jogo para os brasileiros. Depois da falha de Schroif em uma bola lançada na área, Vavá selou a vitória por 3 x 1. O mundo era verde e amarelo mais uma vez.
Fonte: FIFA
Brasil - Seleção de 1962
 

 

Reavivando a memória do Xiquexiquenses: ELEIÇÕES DE 2014


     2014 é um ano de eleições para deputados estaduais e federais.
    Com certeza, logo Xique-Xique (BA) estará recebendo as visitas dos deputados "cometas", ou seja, aqueles que só aparecem de quatro em quatro anos a cata de votos dos incautos.
     Se  analisarmos o que eles fizeram pela cidade nesses últimos 4 anos em que reinaram nas assembleias estaduais e federais, chegar-se-á à conclusão de que nada fizeram. E, até chegaram a esquecer a localização da cidade de Xique-Xique (BA).
     O jornal "A Tarde", de Salvador, do dia 24.01.2014, informa que cada deputado estadual da Bahia, irá receber, a cada ano,  R$ 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais) para ser aplicado da seguinte forma:
            R$  600.000,00 em saúde;
            R$  300.000,00 em educação;
            R$  300.000,00 a critério do deputado.
    Na eleição de 2010, o Município de Xique-Xique (BA) votou em 170 (cento e setenta) candidatos a deputado estadual e em 131 candidatos a deputado federal.
          Os 10 (dez) candidatos a deputado estadual mais votados foram:
            Reinaldo Braga.................. 10.058 votos;
            Marivaldo Figueiredo.......    3.187 votos;
            Luizinho Sobral...............     2.675 votos;
            Cacá Leão.......................      1.063 votos;
            Prof. Bruno......................        626 votos;
            Joaci Dourado..................        495 votos;
            Marcelino Galo.................       341 votos;
            Pastor Arimaiteia.............        136 votos;
            Ferreira Otomar.................        87 votos;
            Neuza Cadore...................         86 votos.
            TOTAL............................   18.754 votos
     Gastamos com esses candidatos, sem nenhum resultado para nossa cidade 92,74 % dos nosso 20.220 votos válidos na eleição passada.
      No que pese sermos um Município com 50.000 habitantes os candidatos que receberam os nossos votos e se elegeram não prestigiaram a cidade que continua sem hospital e com a assistência médica e saúde pública  em situação precária.
       Seria bom que na eleição deste ano os nossos votos para deputado estadual e deputado federal fossem concentrados em um pequenino número de candidatos que realmente estejam comprometidos com a população de Xique-Xique (BA), principalmente na questão da saúde.
       Essa é a hora de dar o troco e prestigiar os candidatos que se comprometam a utilizar parte da verba de R$ 1.200,000,00 que irão receber este ano na implantação de um hospital em Xique-Xique (BA).
       Se deixarmos passar essa oportunidade de ouro, INES É MORTA.
        Para conhecimento dos conterrâneos, publico a relação dos 10 candidatos mais votados para deputado federal, de um total de 131.
           José Rocha............................4.102 votos
           Felix Junior.........................  2.934 votos
           João Bacelar   ...................    2.879 votos
           João Leno.........................     2.114 votos
           José Carlos.....................       1.981 votos
           Bebeto.....................................917 votos
           Antônio Imbassay................... 915 votos
           Valmir Assunção ................... 397 votos
           Afonso Florência.................... 335 votos
            Zezeu Ribeiro........................ 315 votos
                TOTAL..........................16.889 votos

    Façamos valer o nosso voto em troca de algo concreto e importante para Xique-Xique.
    É com nosso voto, elegendo pessoas comprometidas com a cidade que iremos conseguir coisas boas para  o povo.








sábado, 29 de março de 2014

Fonto Denúncia: Mercado Municipal

Interior do Mercado, iluminado

Vista externa do Mercado

Produtos hortigranjeiros no chão.
     O Mercado Municipal São Francisco, de Xique-Xique (BA), está, interna e externamente, totalmente restaurado desde o final de 2012 e até o momento continua fechado obrigando os pequenos produtores rurais do Município a exporem seus produtos diretamente no chão da rua.
     Já está plenamente demonstrado que o Gestor Municipal não está preocupado com o bem público e nem com os eleitores.
    Está demonstrado que o Promotor de Justiça, representante local do Ministério Público da Bahia, não está, também, preocupado com a saúde pública dos cidadãos.
   Assim, resta apenas aos Vereadores, únicos e verdadeiros representantes dos xiquexiquenses, fazerem gestões no sentido de abrir o mercado para os pequenos produtores e consumidores.
Os Vereadores devem e têm poderes para realizar essa providência. Se não o fazem é porque, também, não estão interessados com a saúde dos eleitores.  

Pôr do Sol em Xique-Xique (BA): RUA DR. MAGALHÃES


De qualquer parte que se esteja, o pôr do Sol em Xique-Xique (BA) sempre é um fenômeno bonito.
Aqui o ocaso é visto da Rua Dr. Magalhães em pleno Centro Comercial da cidade.

Xiquexiquenses Ilustres: HONÓRIO DE QUEIROZ ROCHA

O Sr. Honório de Queiroz Rocha, nasceu na Fazenda Carnaúba, Xique-Xique (BA), no dia 06 de agosto de 1925, filho do Sr. Pedro de Freitas Rocha e de D. Maria Amanda Queiroz da Rocha.
O jovem Honório fez o curso primário em Xique-Xique (BA)  e o secundário  nos seminários de Petrolina (PE) e de Olinda (PE), tendo iniciado o curso superior (Filosofia e Teologia)  no Seminário de Olinda e concluído na Universidade Gregoriana de Roma, na Itália.
Depois de ordenado sacerdote da Igreja Católica,  cursou Filosofia Pura, na Faculdade Filosofia da Universidade Católica de Pernambuco e Direito, na Universidade Federal de Minas Gerais e na Faculdade de Direito da cidade de Caruaru, estado de Pernambuco.
Ainda fez licenciaturas das Línguas Portuguesa, Francesa e Latina.  A convite do prefeito municipal de Xique-Xique (BA), Sr. Aurélio Gomes  de Miranda, o padre Honório de Queiroz Rocha celebrou a missa de inauguração do Mercado São Francisco, no dia 25 de dezembro de 1950.
 Tendo solicitado suspensão dos serviços eclesiástico - "deixado a batina", o Sr. Honório de Queiroz Rocha, foi advogado, professor, político (deputado estadual por dois mandatos no estado de Pernambuco), secretário de estado do governador Nilo Coelho, em Pernambuco, membro do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, escritor e poeta. 
Durante o período em que  residiu em Belo Horizonte o Sr.  Honório de Queiroz Rocha se casou com D. Marta Lúcia de Castro Rocha e dessa união tiveram  duas filhas: Maria Amanda de Castro Rocha e Ana Vitória de Castro Rocha.
O Sr. Honório Rocha recebeu, no transcurso de seus quase 81 anos de vida, inúmeras e honrosas condecorações e homenagens prestadas por instituições variadas, desde universidades, passando por órgãos de governos, sociedades culturais e acadêmicas, de Pernambuco e de outros estados.
Faleceu no dia 23 de julho de 2006, na cidade de Recife onde seu corpo foi sepultado.
Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique" de Cassimiro Neto.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Vapores do Rio São Francisco: "BARÃO DE COTEGIPE"


O Barão de Cotegipe foi o vapor que mais deixou saudades nas barrancas do Rio São Francisco. Até hoje, os barranqueiros comentam saudosamente sobre o som melodioso do seu apito.
Quando apontava na curva do Canal do Guaxinim, que separa a Ilha do Gado Bravo da Ilha do Miradouro e inicia a Ipueira, com destino ao porto de Xique-Xique (BA), o "Prático", da sua cabine de comando, acionava o dispositivo para que toda a população tomasse conhecimento de que o "Barão" estava chegando. Era uma alegria geral com todos correndo em direção ao cais para assistir o vapor "encostar".
Na partida, quando levantava âncora e já no meio do Lago Ipueira se encaminhando para adentrar a parte mais profunda do Rio São Francisco,  o "Barão" emitia novo apito, desta vez com um timbre e uma frequência diferentes que o povo, ainda de pé e postado na beira do cais, entendia como de despedida ou de um até logo.
Todo mundo em Xique-Xique (BA), pode-se afirmar, identificava o apito do "Barão", como era carinhosamente conhecido por todos os barranqueiros.
Fabricado nos Estados Unidos em 1913, foi reformado em 1967. Finalmente e criminosamente foi abandonado no porto em Pirapora (MG), com o casco enterrado num banco de areia onde ficou até a sua destruição total. Tinha 43 m de comprimento com capacidade para deslocar de 80 toneladas. Era o vapor preferido para se viajar com destino a Juazeiro (BA).

Ruas de Xique-Xique (BA): PRAÇA DA BÍBLIA



Essa é uma pequena praça que fica perpendicular à Av. J.Seabra e em frente ao Colégio Senhor do Bonfim.
Tem como motivação homenagear o nosso Livro Sagrado, em belo trabalho do nosso escultor Carlos Roldão.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Barcas de tolda: ZULEGA


A "Zulega" era uma das típicas barcas de "tolda" que navegavam pelo Rio São Francisco na primeira metade do século XX. 

quarta-feira, 26 de março de 2014

Foto Rio São Francisco: BARCA "MINAS GERAIS"

A "Minas Gerais" foi uma da principais barcas movidas a vela e a remo que navegaram no Rio São Francisco antes da chegada das barcas movidas a motor.
O barqueiro, orgulhosamente posa sobre a tolda da barca tendo al lado as famosas "varas" que impulsionavam a barca durante as calmarias ou em momentos de desencalhamento.
Foto: Marcel Gautherot.

terça-feira, 25 de março de 2014

Foto Denúncia: "Favela" em Xique-Xique (BA)


E a "favela" continua crescendo na beira do Rio São Francisco poluindo as águas do "Velho Chico".
Nem o Prefeito Municipal e nem os Vereadores de Xique-Xique (BA) estão preocupados com esse atentado ao meio ambiente.
Só nos resta esperar  que o Ministério Público da Bahia intervenha para acabar com esse atentado à saúde pública. 

segunda-feira, 24 de março de 2014

Estaleiro em Xique-Xique (BA): CASCOS DE AÇO


O estaleiro de Xique-Xique (BA) está renovando a frota de barcas que navegam no Rio São Francisco, substituindo os velhos cascos de madeira por outro de aço, mais leves e mais resistentes.

Foto Interessante de Xique-Xique (BA): RAMPA DO MERCADO

 
A construção do "paredão" destruiu a "rampa do mercado", principal acesso da população da cidade à beira do rio São Francisco.
Era nessa rampa onde as grandes barcas atracavam e os caminhões desciam para pegar as mercadorias.
Ficou apenas os restos da rampa.
 

Baixio de Xique-Xique (BA): O PROJETO DE IRRIGAÇÃO

      Baixio e Xique-Xique (BA): O PROJETO DE IRRIGAÇÃO




Tomada d'água no Município de Xique-Xique (BA).

     Informo aos seguidores e leitores deste Blog que a população da cidade de Xique-Xique (BA) não concorda com a denominação de "BAIXIO DE IRECÊ" dada ao Projeto de Irrigação que está sendo implantado no Município de Xique-Xique (BA), local onde estão situados o "BAIXIO A SER IRRIGADO" e a ÁGUA necessários à existência do referido Projeto de Irrigação. 

      Denomina-lo de "BAIXIO DE IRECÊ" é um grande equívoco e, acredito mesmo, que os habitantes da cidade de Irecê (BA) não devam sentir-se confortáveis com essa indevida denominação pois, sabem, mais que ninguém, que naquele Município não existe "baixio irrigável" e nem água para irrigação além de ficar a uma distância de mais de 100 km da margem do Rio São Francisco, local da tomada d'água e do canal principal, ambos no Município de Xique-Xique (BA), (fotos). 

    Como acredito não serem eles os autores da equivocada denominação e sim que tenha partido de algum técnico que desconhece a realidade dos fatos, bem que os habitantes da cidade de Irecê poderiam ser parceiros dos Xiquexiquenses nesse pleito de mudança do nome do Projeto para "BAIXIO DE XIQUE-XIQUE", a não ser que queiram compactuar com essa usurpação

Canal principal do Baixio, no Município de Xique-Xique (BA).


Canal Principal no Município de Xique-Xique (BA).

 

domingo, 23 de março de 2014

Gestores de Xique-Xique (BA): CÂMARA MUNICIPAL DE 1864

Em Ofício datado de 07.01.1865, a Câmara Municipal de Xique-Xique (BA) comunica ao Presidente da Província  da Bahia, Dr. Luiz Antônio Barbosa de Almeida, a posse dos novos vereadores eleitos nas eleições realizadas no final de 1864. Os mandatos desses vereadores se estenderam até o ano de 1868.
Foram os seguintes os vereadores eleitos: José Rufino de Magalhães, Manoel Fulgêncio de Azevedo, João Ferreira da Rocha, Joaquim Alves Machado, José Antônio Garrido e João Batista Avelino.
Dr. Luiz Antônio Barbosa de Almeida, Presidente da Província da Bahia entre  novembro de 1864 e  maio de 1865, era tio do ilustre Dr.  Ruy Barbosa.
Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique", de Cassimiro Neto
 
102

Evangelho Dominical: JESUS ENTRE OS SAMARITANOS


Evangelho de Jesus Cristo segundo João 4,5-42

Naquele tempo:
5Jesus chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, perto do terreno que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6Era aí que ficava o poço de Jacó. Cansado da viagem, Jesus sentou-se junto ao poço.
Era por volta do meio-dia. 7Chegou uma mulher da Samaria para tirar água.
Jesus lhe disse: 'Dá-me de beber'. 8Os discípulos tinham ido à cidade para comprar alimentos.9A mulher samaritana disse então a Jesus: 'Como é que tu, sendo judeu, pedes de beber a mim, que sou uma mulher samaritana? 'De fato, os judeus não se dão com os samaritanos.10Respondeu-lhe Jesus:
'Se tu conhecesses o dom de Deus e quem é que te pede: 'Dá-me de beber`, tu mesma lhe pedirias a ele, e ele te daria água viva.'11A mulher disse a Jesus: 'Senhor, nem sequer tens balde e o poço é fundo.
De onde vais tirar a água viva? 12Por acaso, és maior que nosso pai Jacó, que nos deu o poço e que dele bebeu, como também seus filhos e seus animais?'13Respondeu Jesus: 'Todo aquele que bebe desta água terá sede de novo.14Mas quem beber da água que eu lhe darei, esse nunca mais terá sede.E a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte d'água que jorra para a vida eterna.'15A mulher disse a Jesus: 'Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede e nem tenha de vir aqui paratirá-la.'16Disse-lhe Jesus: Vai chamar teu marido e volta aqui'.17A mulher respondeu: 'Eu não tenho marido'. Jesus disse: 'Disseste bem, que não tens marido,18pois tiveste cinco maridos, e o que tens agora não é o teu marido. Nisso falaste a verdade.'19A mulher disse a Jesus: Senhor, vejo que és um profeta! 20 Os nossos pais adoraram neste monte mas vós dizeis que em Jerusalém é que se deve adorar'.21Disse-lhe Jesus: 'Acredita-me, mulher: está chegando a hora em que nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. 22Vós adorais o que não conheceis. Nós adoramos o que conhecemos, pois a salvação vem dos judeus.23Mas está chegando a hora, e é agora, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade. De fato, estes são os adoradores que o Pai procura.24Deus é espírito e aqueles que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade.'
25A mulher disse a Jesus: 'Sei que o Messias (que se chama Cristo) vai chegar. Quando ele vier, vai nos fazer conhecer todas as coisas'.26Disse-lhe Jesus: 'Sou eu, que estou falando contigo'.27Nesse momento, chegaram os discípulos e ficaram admirados de ver Jesus falando com a mulher.
Mas ninguém perguntou: 'Que desejas?' ou: 'Por que falas com ela?'28Então a mulher deixou o seu cântaro e foi à cidade, dizendo ao povo:29'Vinde ver um homem que me disse tudo o que eu fiz.
Será que ele não é o Cristo?'30O povo saiu da cidade e foi ao encontro de Jesus.31Enquanto isso, os discípulos insistiam com Jesus, dizendo: 'Mestre, come'.32Jesus, porém disse-lhes: 'Eu tenho um alimento para comer que vós não conheceis'.33Os discípulos comentavam entre si: Será que alguém trouxe alguma coisa para ele comer?'34Disse-lhes Jesus: 'O meu alimento é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra.35Não dizeis vós: "Ainda quatro meses, e aí vem a colheita! "Pois eu vos digo: Levantai os olhos e vede os campos: eles estão dourados para a colheita!
36O ceifeiro já está recebendo o salário, e recolhe fruto para a vida eterna. Assim, o que semeia se alegra junto com o que colhe.37Pois é verdade o provérbio que diz: Um é o que semeia e outro o que colhe`.38Eu vos enviei para colher aquilo que não trabalhastes. Outros trabalharam e vós entrastes no trabalho deles.'39Muitos samaritanos daquela cidade abraçaram a fé em Jesus, por causa da palavra da mulher que testemunhava: "Ele me disse tudo o que eu fiz.`40Por isso, os samaritanos vieram ao encontro de Jesus e pediram que permanecesse com eles. Jesus permaneceu aí dois dias.41E muitos outros creram por causa da sua palavra.42E disseram à mulher: 'Já não cremos por causa das tuas palavras, pois nós mesmos ouvimos e sabemos,que este é verdadeiramente o salvador do mundo.'
Palavra da Salvação.

sábado, 22 de março de 2014

Ruas de Xique-Xique (BA) - AVENIDA J. J. SEABRA




                      Ruas de Xique-Xique (BA) - Avenida J.J. Seabra

       A Avenida J. J. Seabra, é a principal de Xique-Xique (BA) e, como um eixo, corta a cidade ao meio, no sentido oeste/leste.
       Essa Avenida foi uma homenagem do Intendente Municipal Coronel Francisco Xavier Guimarães ao Dr. José Joaquim Seabra, Governador da Bahia no período de 1912/1916,  e também, em agradecimento por esse Governador haver, no ano de 1915, restaurado a Comarca de Xique-Xique (BA), tendo, de imediato,  nomeado um Juiz de Direito para a Comarca recém restaurada.
     A Comarca de Xique-Xique, criada no ano de 1857, fora extinta no ano de 1892, pelo então Governador da Bahia, Sr. Joaquim Manoel Rodrigues Lima (1892/1896).

Recordando as Copas: 1958 Suécia

                 COPA DE 1958 
O primeiro título do Brasil e o surgimento do Rei
          
A sexta Copa, com 35 jogos e 126 gols,  foi realizada na Suécia no ano de 1958 e pela primeira vez  o Brasil  sagrou-se  campeão  mundial. O jogo final foi realizado contra a  Suécia que perdeu por 5 x 2. Fontaine, da França, com 13 gols,  foi o da Copa.
Foi a primeira é até hoje única Copa que contou com a participação de todas as seleções do Reino Unido: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Só os dois últimos se classificaram para o mata-mata  e caíram no primeiro jogo. 
Brasil e Inglaterra protagonizaram o primeiro O x O da história das Copas.
Depois do jogo, o técnico Vicente Feola escalou Zito, Garrincha e Pelé no time principal, dando adeus à retranca. A seleção engrenou. 
Feito em cima da hora para a Copa, o hino brasileiro "A Taça do Mundo é Nossa" virou hit nacional. A música foi cantada por muitos carnavais nos anos seguintes.
Pelé era apenas um garoto de 17 anos quase desconhecido quando chegou à Suécia, em 1958, para disputar a sexta Copa do Mundo da história. Mas a goleada por 5 x 2 sobre os donos da casa na final e uma atuação de gala ao lado de outro gênio, Garrincha, foram suficientes para dar início à mística que até hoje cerca aquele que depois foi chamado de “Atleta do Século”.
Após a frustração diante da própria torcida, em 1950, o Brasil enfim chegou ao título no Estádio Rasunda e se tornou o primeiro país a erguer a taça fora de seu continente. A Copa na Suécia também consagrou o atacante francês Just Fontaine, cujo recorde de gols (13 em seis jogos) permanece até hoje.
A maior novidade foi que o torneio teve cobertura televisiva internacional pela primeira vez. Três seleções estrearam em Copas do Mundo: União Soviética, País de Gales e Irlanda do Norte. Os dois últimos, ao lado de Inglaterra e Escócia, garantiram que os quatro selecionados britânicos disputassem juntos uma Copa do Mundo da FIFA pela primeira e única vez até hoje.
Os ingleses não foram muito longe e acabaram eliminados pelos soviéticos, embora tenham conseguido segurar o primeiro 0 x 0 da história das Copas, diante do Brasil. Já o País de Gales e a Irlanda do Norte venceram as partidas de desempate da primeira fase contra Hungria e Tchecoslováquia, respectivamente. Nas quartas de final, os galeses tiveram pela frente os brasileiros. Resultado: 1 x 0 para o time canarinho, com gol de Pelé, o primeiro dos 12 marcados por ele em quatro edições da Copa do Mundo.
A anfitriã Suécia permitira que jogadores profissionais atuassem pela seleção nacional e, assim, conseguiu fortalecer seu time, que, mesmo desacreditado, despachou os soviéticos e depois a Alemanha Ocidental para chegar à final.
Sob o comando do técnico Vicente Feola, a seleção brasileira treinou forte por três meses e excursionou pela Europa antes de chegar à Suécia. A inovação tática do sistema 4-2-4 era uma aposta do treinador, mas o time só deslanchou a partir da última partida da fase de grupos, quando Pelé e Garrincha foram escalados: 2 x 0 na União Soviética.
Na semifinal, jogo duro entre França e Brasil. Vavá abriu o marcador e Fontaine empatou, mas os brasileiros foram para o intervalo em vantagem no marcador graças a um gol de Didi. No segundo tempo, a seleção brasileira aproveitou que os franceses ficaram com um homem a menos, por causa da lesão do zagueiro Bob Jonquet, e coube a Pelé a tarefa de definir a vitória. Ele marcou três gols e selou os 5 x 2.
Seleção campeã.
Outra goleada viria na grande decisão. O Brasil entrou com camisas azuis, já que a Suécia jogava de amarelo. E foram os donos da casa que saíram na frente, logo aos 4 minutos, com gol de Liedholm.  Mas Vavá e Pelé marcaram dois gols cada e Zagallo fechou a conta. Com a simpatia dos suecos desde o começo do torneio, os brasileiros fizeram a festa no Estádio Rasunda, dando a volta olímpica com a bandeira da Suécia. O público também presenciou um nobre encontro: o rei sueco Gustavo Adolfo foi ao gramado felicitar os campeões do mundo, incluindo Pelé, que começava seu próprio reinado.
Fonte: Fifa