quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Pôr do Sol em Xique Xique (BA): PORTO DE XIQUE XIQUE (BA)

O PORTO À TARDINHA

Quando estou na minha terra, Xique Xique (BA), o que faço, religiosamente, todos os anos, no que pese residir em outro Estado, a parte que mais me emociona e me faz lembra da meninice é a beira do rio à tardinha.

Era alí no porto da cidade, junto às barcas e paquetes ancorados que a meninada da época gastava o tempo pescando e tomando banho no rio.

O porto de Xique Xique (BA)., situado nas águas serenas do Lago Ipueira é de uma beleza sem igual, principalmente no pôr do Sol.

FRASE BÍBLICA

POIS ASSIM COMO JONAS FOI SINAL PARA OS NINIVITAS, ASSIM TAMBÉM SERÁ O FILHO DO HOMEM PARA ESTA GERAÇÃO.

Lc 11,30

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

FRASE DO DIA

"NADA PROVOCA MAIS DANO DO QUE A HIPOCRISIA. O MAL OCULTO SOB A APARÊNCIA DO BEM É MUITO MAIS EFICIENTE"
São Joã Crisóstomo

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Evangelho Dominical: TENTAÇÃO NO DESERTO - Marcos 1, 12-15

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo.

12E logo o Espírito o impeliu para o deserto. 13Aí esteve quarenta dias. Foi tentado pelo demônio e esteve em companhia dos animais selvagens. E os anjos o serviam. 14Depois que João foi preso, Jesus dirigiu-se para a Galiléia. Pregava o Evangelho de Deus, e dizia: 15“Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho.” – Palavra da salvação.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

FRASE DO DIA

"AMPARAR A QUEM SOFRE E LUTAR POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA É IDEAL SUFICIENTE PARA ENOBRECER UMA VIDA"
Frei Neylor J. Tonin

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Fato Histórico de Xique Xique (BA): Fundação do Botafogo Esporte Clube

Botafogo Futebol Clube
O jovem desportista Antonio Henrique Moraes Soares (ZICO), junto com um grupo de amigos, funda, em Xique Xique (BA), no dia 09 de abril de 1968 o Botafogo Futebol Clube, cuja sede ficou localizada na Praça Dom Máximo.
Por ser o lider do grupo, Zico foi escolhido para ser o primeiro presidente da agremiação e, de imediato determinou, para o dia seguinte, 10 de abril, que o novo time da cidade iria jogar com o já famoso Esporte Clube Brasil, conseguindo um empate de 1x1, na sua estréia.
No dia 10 de abril de 1968 o Botafogo Futebol Clube faz seu jogo de estréia, empatando em 1 x 1 contra o time do Esporte Clube Brasil, com a seguinte escalação: Curiango, Gilberto, Vieira, Bel e Dinho; Batista e Paulo Neres; Gercino, Neguinho, Dibinha e Rodrigo Bessa.

A foto registra o momento em que o Botafogo Esporte Clube sagrou-se, em 1974, campeão de futebol, em Xique Xique.

Pôr do Sol em Xique Xique(BA): Chegada dos Ilhéus

Pequeno paquete a motor, provavelmente oriundo de uma das inúmeras ilhas situadas no Município, cruza o Lago Ipueira com alguns passageiros ansiosos para desmbarcarem na cidade.

Pouco se importam com a beleza do pôr do Sol pois isso é o que eles vêm todos os dias quando estão nas suas ilhas tratando das pequenas lavouras.
É a beleza banalizada.

Cantinho da Seresta: Músicas Populares

O Blog JUAREZ MORAIS CHAVES fez uma seleção de músicas genuinamente brasileiras, tocadas e cantadas na segunda metade do século passado, principalmente nos anos 1960, "cifradas" para violão e que, semanalmente, estarão sendo divulgadas.




Foto do Rio São Francisco: AS LAVADEIRAS

AS LAVADEIRAS DO RIO SÃO FRANCISCO

No que pese a abundância de água, somente a partir da segunda metade do século XX é que as autoridades estaduais e municipais começaram a pensar em água encanada para as cidades riberinhas.

Era comum não só a apanha do precioso líquido usando as latas de querosene, que eram magistralmente equilibradas nas cabeças das aguadeiras, mas, também corriqueiro levar para a beira do rio trouxas de roupas para serem lavadas.

Dezenas de lavadeiras escolhiam o seu ponto e alí ficavam, em papo animado entre elas, até não mais existir roupa suja.

Enquanto isso, a carranca, silenciosamente, as observa.

CAMPANHA DA FRATERNIDADE: Evangelho de hoje


QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. 6 1-6. 16-18

Disse Jesus: "Guardai-vos de fazer vossas boas obras diante dos homens, para serdes vistos por eles. Do contrário, não tereis recompensa junto de vosso Pai que está no céu. 2 Quando, pois, dás esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem louvados pelos homens. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. 3 Quando deres esmola, que tua mão esquerda não saiba o que fez a direita. 4 Assim, a tua esmola se fará em segredo; e teu Pai, que vê o escondido, recompensar-te-á. 5 Quando orardes, não façais como os hipócritas, que gostam de orar de pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. 6 Quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo; e teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á. 16 Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. 17 Quando jejuares, perfuma a tua cabeça e lava o teu rosto. 18 Assim, não parecerá aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai que está presente ao oculto; e teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á". Palavra da Salvação.

CAMPANHA DA FRATERNIDADE

Hoje, iniciamos a Quaresma - 40 dias de preparação para a Páscoa - com a abertura da Campanha da Fraternidade, cujo tema é "FRATERNIDADE E SAÚDE PÚBLICA" tendo como lema "QUE A SAÚDE SE DIFUNDA SOBRE A TERRA", frase extraída da Bíblia (Eclo 38,8).

O tema é um chamado para se refletir sobre a saúde pública em nosso País principalmente no que se refere ao SUS (Sistema Único de Saúde), para que se possa defendê-lo, pois, a saúde é um direito de todos e um dever do Estado.

Neste dia, também, estaremos recebendo cinzas sobre nossas cabeças que, simbolicamente representa aniquilamento, destruição, humilhação, dor, morte, luto,etc. Tudo "Virou cinzas", dizemos nós.

As cinzas também nos lembram que somos pó.

Mas, Jesus ressuscitado veio fazer brotar vida de nossas cinzas.

Por isso ao recebermos as cinzas ouvimos o sacerdote dizer: "Levanta-te que és pó, e ao pó hás de voltar"; ou então "Convertei-vos, e crede no Evangelho".

Foto Antiga de Xique Xique:VISTA DO LAGO IPUEIRA.

Esta é uma foto muito antiga, do tempo em o acesso ao Lago Ipueira se fazia atavés de várias rampas que partiam do cais.

Ainda não existia o PAREDÃO.

O destaque é para a Av. Barão do Rio Branco (na beira do rio) e a Praça Getúlio Vargas que permite visualizar a Igreja, por completo.

Foi obtida da Ilha do Gado Bravo que fica em frente a cidade.

Observem o grande Lago que banha a cidade.

Foto Aérea de Xique Xique (BA): CENTRO HISTÓRICO


CENTRO HISTÓRICO

Esta é uma foto clássica de Xique Xique (BA), mostrando as principais ruas da cidade, com predominância do núcleo comunitário original.

O foco foi obtido de um ponto sobre a Ilha do Gado Bravo.

Foto: Cincinato

Foto Edson Nogueira: PRAÇA DA BÍBLIA

Esta é uma das bonitas praças de Xique Xique (BA), denominada de Praça da Bíblia em face de contar com uma escultura do Livro Sagrado, da autoria do artista Carlos Roldão.
Fica no final da Av. J.J. Seabra, ao lado do Colégio Municipal Senhor do Bonfim.
Muito bonito o ângulo obtido pelo fotógrafo Édson Nogueira.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

FRASE DO DIA

"A ALEGRIA DÁ AO CRISTÃO UMA NOVIDADE DE VIDA, CONTENTE POR SABER SER AMADO POR DEUS"

Dom Geraldo Agnelo

Arte Sacra na Bahia: AZULEJARIA

Painel de azulejo existente na Igreja de Nossa Senhora da Saúde e Glória, em Salvador (BA), datado da transição do século XVIII para o XIX, de autoria de Francisco de Paula Oliveira, com legenda VESITAN-SE / S. IZABEL e emolduramento do tipo arquitetônico.

É complementado na parte inferior por azulejos mamoreados em roxo e verde.
Fonte: Bahia: Tesouros da Fé.

Foto: Sérgio Benutti

Dinheiro, Deuses & Poder: ATTICA, ATENAS

AR tetradrachima batida entre 449 e 404 a.C (22mm, 16,9 g, 9h).

Cabeça de Atena virada para a direita, usando capacete (ou elmo) ático cristado. Coruja virada para a direita, cabeça em posição frontal; ramo de oliveira e lua crescente atrás, todo o conjunto dentro de quadrado incuso.

Fonte: Coleção Spínola

Nomus Brasiliana

Enchente de 1979 - Fotos Inéditas: Rua Cel. Manoel Teixeira

Esta é mais uma foto inédita da grande enchente do Rio São Francisco que inundou Xique Xique (BA) no ano de 1979.

O foco é a Rua Cel. Manuel Teixeira, rua comercial que passa ao lado do Mercado Muncipal, totalmente tomada pelas águas do Velho Chico.
Foto: Afonso

Foto Interessante de Xique Xique (BA): EMBARQUE DE BOVINO

Apesar da predominância do transporte rodoviário, em Xique Xique (BA) a via fluvial, pelo Rio São Fancisco, também é muito utilizada para o transporte de pessoas e mercadorias.

A excepcionalidade acontece quando algum vaqueiro resolve transportar a sua rês embarcando-a numa barca a motor.

Pelo menos 6 homens estão envolvidos na missão.


Foto Denúncia: AS "TAPIOQUEIRAS"

As "tapioqueiras" de Xique Xique (BA), são personagens antigas e tradiconais na cidade. Há muitos anos reservaram uma parte da calçada oeste do Mercado Municipal para exporem seus produtos derivados da mandioca.

Nunca tiveram, dentro do Mercado, um local digno e higiênico para colocação da "puba", da tapioca fresca, da cambraia, principais produtos procurados pelos xiquexiquenses.

Atualmente, mesmo com a deterioração do prédio do Mercado e com a intensa sujeira da referida calçada, é alí que continuam expondo e vendendo.

Com a notícia de que o Poder Municipal está reformando o Mercado Municipal e que em julho próximo entregará ao público, as "tapioqueiras" esperam que lhe seja destinado um "ponto" onde possam vender seus produtos com mais higiene.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

CASAMENTO RELIGIOSO: ANULAÇÃO

Na Justiça comum existem os tribunais civis. Na Igreja Católica existem os Tribunais Eclesiásticos. Esses tribunais ocupam-se dos casos que envolvem os direitos e deveres de todos os fiéis cristãos, seja na dimensão pessoal, seja na dimensão comuntária, como é o caso do matrimônio celebrado na Igreja. A Igreja não costuma anular, mas sim declara nulo um Sacramento, que na realidade nunca existiu. No caso de um consentimento viciado por imaturidade, ou por falta de clareza, ou por doenças psíquicas (alcoolismo crônico e outras), ou por medo, ou violência, ou se simulou o ato conjugal, ou ainda se houve um impedimento, a pessoa pode procurar o Tribunal da Igreja e apresentar o seu caso. Se for declarado nulo, então a pessoa fica livre para se casar outra vez na Igreja.

Frei Ivo Müller, OFM

FRASE DO DIA

"NÃO PERMITAS QUE A PRESSA, A IMPACIÊNCIA, A ANSIEDADE E O NERVOSISMO TOMEM O LUGAR DO SENTIDO COMUM E DO JUÍZO"
São Francisco de Sales.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Evangelho Dominical - CURA DO PARALÍTICO

SÃO MARCOS - 1, 1-12
1 Poucos dias depois, tendo Jesus entrado novamente em Cafarnaum, o povo ouviu falar que ele estava em casa. 2 Então muita gente se reuniu ali, de forma que não havia lugar nem junto à porta; e ele lhes pregava a palavra.3 Vieram alguns homens, trazendo-lhe um paralítico, carregado por quatro deles. 4 Não podendo levá-lo até Jesus, por causa da multidão, removeram parte da cobertura do lugar onde Jesus estava e, pela abertura no teto, baixaram a maca em que estava deitado o paralítico. 5 Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os seuspecados estão perdoados”.6 Estavam sentados ali alguns mestres da lei, raciocinando em seu íntimo: 7 “Por que esse homem fala assim? Está blasfemando! Quem pode perdoar pecados, a não ser somente Deus?”8 Jesus percebeu logo em seu espírito que era isso que eles estavam pensando e lhes disse: “Por que vocês estão remoendo essas coisas em seu coração? 9 Que é mais fácil dizer ao paralítico: Os seus pecados estão perdoados, ou: Levante-se, pegue a sua maca e ande? 10 Mas, para que vocês saibam que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados” — disse ao paralítico — 11 “eu lhe digo: Levante-se, pegue a sua maca e vá paracasa”. 12 Ele se levantou, pegou a maca e saiu à vista de todos, que, atônitos, glorificaram a Deus, dizendo: “Nunca vimos nada igual!”

A MEDIDA DA RIQUEZA

O jornalista mexicano, ARMANDO FUENTES AGUIRRE, mais conhecido como "CATÓN", escreveu o texto abaixo que merece ser divulgado para conhecimento de todo o mundo. Por isso, o Blog de Juarez Morais Chaves, sente-se honrado em publicar, na íntegra, o pronunciamento do ilustre mexicano.


"MEDINDO AS RIQUEZAS DO SER HUMANO!!!
Catón
Tenho a intenção de processar a revista "Fortune", porque fui vítima de uma omissão inexplicável. Ela publicou uma lista dos homens mais ricos do mundo, e nesta lista eu não apareço. Aparecem: o sultão de Brunei, os herdeiros de Sam Walton e Mori Takichiro. Incluem personalidades como a rainha Elizabeth da Inglaterra, Niarkos Stavros, e os mexicanos Carlos Slim e Emilio Azcarraga.Mas eu não sou mencionado na revista.E eu sou um homem rico, imensamente rico. Como não, vou mostrar a vocês: Eu tenho vida, que eu recebi não sei porquê, e saúde, que conservo não sei como.Eu tenho uma família, esposa adorável, que ao me entregar sua vida me deu o melhor para a minha; meus filhos maravilhosos dos quais só recebi felicidades, netos com os quais pratico uma nova e boa paternidade.Eu tenho irmãos que são como meus amigos, e amigos que são como meus irmãos.
Tenho pessoas que sinceramente me amam, apesar dos meus defeitos, e a quem amo apesar dos meus defeitos.Tenho quatro leitores a cada dia para agradecer-lhes porque eles lêem o que eu mal escrevo.Eu tenho uma casa, e nela muitos livros (minha esposa iria dizer que tenho muitos livros e entre eles uma casa).Eu tenho um pouco do mundo na forma de um jardim, que todo ano me dá maçãs que iria reduzir ainda mais a presença de Adão e Eva no Paraíso.Eu tenho um cachorro que não vai dormir até que eu chegue, e que me recebe como se eu fosse o dono dos céus e da terra.Eu tenho olhos que vêem e ouvidos para ouvir, pés para andar e mãos que acariciam; cérebro que pensa coisas que já ocorreram a outros, mas que para mim não haviam ocorrido nunca.Eu sou a herança comum dos homens: alegrias para apreciá-las e compaixão para irmanar-me aos irmãos que estão sofrendo.E eu tenho fé em Deus que vale para mim amor infinito.Pode haver riquezas maiores do que a minha?Por que, então, a revista "Fortune" não me colocou na lista dos homens mais ricos do planeta? "

E você, como se considera? Rico ou pobre? Há pessoas pobres, mas tão pobres, que a única coisa que possuem é ... DINHEIRO.

Crônica Xiquexiqueana: MARINHO CARVALHO - O DESBRAVADOR

O DESBRAVADOR MARINHO PEREIRA DE CARVALHO

Juarez Moraes Chaves
Atualmente a cidade baiana de Xique-Xique, às margens do lendário Rio São Francisco, está ligada a Salvador por uma rodovia estadual, totalmente asfaltada que, se ainda não é das melhores da Bahia está atendendo, com relativo conforto, os deslocamentos da população para a capital do Estado. Asfaltada no ano de 1974 e denominada de BA-52, a entrega dessa rodovia aos xiquexiquenses foi alvo de grande festa popular, comandada pelo então Prefeito Municipal João Durães principal lutador para que essa rodovia que se inicia em Feira de Santana (BA), chegasse até à cidade por ele administrada.

Antes de 1974, os deslocamentos rodoviários para Salvador eram feitos por uma estrada, também estadual, construída no ano de 1950, totalmente encascalhada com piçarra e que nos tempos de chuva transformava-se num sofrimento, principalmente para os caminhoneiros ante os muitos pontos de atoleiros formados pelas águas pluviais.

Mas, essa estrada de barro construída em 1950 quando o Dr. Regis Pacheco governava a Bahia, foi considerada um grande progresso rodoviário, vez que antes dela, as viagens para Salvador se fazia por estrada carroçável passando pela cidade de Jacobina (BA) e enfrentando a perigosa Serra do Tombador, na Chapada Diamantina, famosa pelos constantes acidentes que ali ocorriam com os veículos que se arriscavam a transpô-la.

Mas, a história da rodovia ligando Xique-Xique (BA) a Salvador é muito mais antiga e por isso torna-se necessário contar essa odisséia realizada por um jovem e idealista xiquexiquense que, num sonho utópico resolveu, sozinho e às suas expensas, construir a primeira estrada ligando Xique-Xique à atual cidade de Uibai (BA).

Esse idealista foi o Sr. MARINHO PEREIRA DE CARVALHO, nascido em 03 de julho de 1887, no povoado de Canabrava do Gonçalo, distrito de Tiririca de Luizinho, atual cidade de Uibaí (BA), na época pertencente ao município de Xique-Xique, homem de visão e que hoje, com o seu nome, honra a nossa Estação Rodoviária de Xique-Xique.

Seu Marinho, como era conhecido na cidade, veio ainda jovem para Xique-Xique e nessa cidade dedicou-se ao comércio negociando "secos e molhados", tecidos e pedras preciosas, sem abandonar, contudo a atividade agropecuária na Fazenda Brasil situada em sua terra natal, onde chegou a possuir um engenho para o fabrico de rapadura. Pelo seu espírito empreendedor, mesmo sem nunca haver exercido um mandato político Seu Marinho exerceu liderança e muito influenciou a política partidária de Xique Xique e nunca se conformou com a ausência de estrada ligando Xique-Xique à sua Canabrava do Gonçalo, para que pudesse, com facilidade, escoar toda a sua produção agropecuária. O transporte de mercadorias, naquela época e na região era feito no lombo de burros. Eram as chamadas “tropas de burros”, formada às vezes por mais de 20 animais que deslocavam dezenas de quilômetros durante a semana percorrendo as feiras livres nas diversas comunidades. Cansado dessa vida de andar em lombo de animais vendendo a sua produção de feira em feira, Seu Marinho, tomado por um ideal bandeirante, decidiu que era chegada a hora de desbravar aquela promissora região. E, para isso, necessário se tornava a existência de uma rodovia, mesmo que fosse precária. Assim, no ano de 1926, com apenas 39 anos de idade, Seu Marinho partiu de Xique-Xique com destino a São Paulo, em viagem de vapor pelo Rio São Francisco até a cidade de Pirapora (MG) e a partir dali em viagem de trem de ferro chegou à capital paulista. Naquela grande cidade e sem uma explicação lógica, pois em Xique-Xique, onde residia não existiam rodovias, Seu Marinho adquiriu um caminhão Ford 1926 e um automóvel, e com a ajuda do parente Martinho Carvalho que o acompanhava na viagem, trouxe os veículos para Xique-Xique utilizando como meios de transporte o trem de ferro e os vapores no Rio São Francisco.
A chegada desses carros em Xique-Xique foi um dos eventos mais importantes e comentados pela população. Eram os primeiros que iriam rodar na cidade e a retirada dos mesmos da lancha do vapor foi um espetáculo nunca visto por todos que estavam postados no cais assistindo a perita manobra do motorista Martinho Carvalho que com a devida técnica transpôs a estreita prancha do vapor e subiu a rampa do capim, mais ou menos na altura onde hoje está construído o Mercado Municipal da cidade.
Com os veículos guardados na garagem de sua casa, Seu Marinho solicitou e conseguiu, do Prefeito Municipal Cel. Manoel Teixeira de Carvalho, uma autorização para construir uma estrada ligando Xique-Xique ao povoado de Canabrava do Gonçalo, local do seu nascimento, pois, além de visionário Seu Marinho era, também, fazendeiro e comerciante e assim precisava de um meio eficaz para transportar e comercializar os seus produtos nos vizinhos lugarejos. Conseguida a licença, em março de 1926, Seu Marinho iniciou a gigantesca tarefa de fazer, por conta própria, uma rodovia onde nada existia. Ele próprio fez o levantamento topográfico, sem ser topógrafo, fez um rústico traçado da estrada, apenas indicando os nomes dos locais por onde deveria passar e para isso, inteligentemente utilizou uma antiga rota ligando Xique-Xique à Canabrava, por onde passavam os vaqueiros transportando as boiadas. Precisava apenas, e não era tarefa fácil, arrancar os tocos, alargar e aplainar o caminho, tudo isso utilizando apenas homens inexperientes nesse tipo de trabalho e ferramentas inadequadas onde predominavam os facões, as foices e os machados. Não obstante a precariedade das ferramentas utilizadas, a pequena estrada ligando Xique-Xique à Canabrava do Gonçalo foi concluída no mês de julho de 1926, sendo pois a primeira rodovia construída não só no município de Xique-Xique mas em toda a região do médio São Francisco. Por essa pequena estrada transitou durante vários anos, até que, desejando ampliar os negócios decidiu aumentar a sua rodovia e chegar até à atual cidade de Canarana, naquele tempo conhecida como Canabrava do Miranda. Com essa ampliação Seu Marinho passou a negociar os seus produtos agrícolas junto a diversas comunidades que ficavam a um raio de muitos quilômetros de Xique-Xique.

Pelo grande feito, Seu Marinho passou a ser respeitado e admirado pelo povo xiquexiquense que naquele longínquo ano de 1926 via pela primeira vez, transitando na sua cidade, um caminhão e um automóvel, coisas ainda inexistentes nas demais cidades ribeirinhas do São Francisco.

Eu ainda tive o prazer de conhecer pessoalmente não só o Seu Marinho como toda a sua família, tendo sido, inclusive, colega de Paulo Carvalho (Paulão), um dos seus filhos, no curso primário feito nas Escolas Reunidas Cesar Zama, nos idos de 1950 a 1954. Ele morava numa casa situada na Av. J.J. Seabra, em frente ao César Zama e era comum, ali, a presença dos colegas de Paulo, estando Seu Marinho, relativamente novo, com 67 anos e ainda desfrutando de grande conceito e consideração por parte dos seus conterrâneos.Por tudo isso, nada mais justo e natural que honrar o prédio da Estação Rodoviária de Xique-Xique com o nome de pessoa tão desbravadora e ilustre. Xique-Xique que desde a década de 1960 já vinha sendo servida com linha regular de ônibus para Salvador, após a pavimentação asfáltica da BA-52, no ano de 1974, aumentou o número de empresas de ônibus desejosas de fazerem o transporte de pessoas para a capital do Estado.Isso, então, levou o Prefeito Municipal a entender haver chegado a hora de construir um prédio destinado a centralizar as chegadas e saídas dos ônibus. Era a hora de construir a Estação Rodoviária. Concluído o prédio já era um consenso local de que o nome mais indicado para a Estação Rodoviária seria MARINHO PEREIRA DE CARVALHO, o homem que construiu, por conta própria e em 1926, a primeira estrada de rodagem do município. E, assim a nossa rodoviária foi batizada de TERMINAL RODOVIÁRIO MARINHO PEREIRA DE CARVALHO. Também tem seu nome como patrono de uma praça na cidade de Uibaí (BA), local do seu nascimento.

Seu Marinho faleceu no dia 24.06.1978, aos 91 anos de idade.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

FRASE DO DIA

"ONDE HÁ FÉ EXISTE AMOR, ONDE HÁ AMOR EXISTE PAZ, ONDE HÁ PAZ ALI ESTÁ DEUS, E ONDE DEUS ESTÁ NADA FALTA"

Pe. JOSÉ ALBERTO ORLOVSKI

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

FRASE DO DIA: Pe. ANTÔNIO VIEIRA

"POIS, SE ALGUM DIA HÁ DE SER, SE ALGUM DIA HAVEMOS DE ABRIR OS OLHOS, SE ALGUM DIA NOS HAVEMOS DE RESOLVER, POR QUE NÃO SER NESTE DIA?"
Pe. Antônio Vieira

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Foto Antiga de Salvador (BA): CENTRO HISTÓRICO

Foto aérea do centro histórico da "Velha Bahia", destacando os principais equipamentos - Palácio do Governo, Elevador Lacerda, Igreja da Conceição, Mercado Modelo, etc.


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Foto do Rio São Francisco: O VAQUEIRO

VAQUEIRO SÃOFRANCISCANO

O Vaqueiro é uma das principais figuras caractarísticas do Vale do Rio São Francisco, face ao grande criatório de gado bovino na margem do rio que chegou a ficar conhecido como o "rio dos currais".

O vaqueiro da foto, totalmente "encourado" e que foi dar de beber ao seu cavalo, pertence a uma categoria que já foi conhecida como "cavaleiros do sertão da Bahia, vestidos de couro de veado da cabeça aos pés".

Segundo um grande escritor, "A vestimenta de couro parece extravagante a primeira vista, mas é muito adequada, pois estes homens têm algumas vezes que correr atrás do gado que foge pelos arbustos espinhosos e caatingas, ou então são obrigados a fazer passar o gado por aí para reuní-lo".

As mesmas vestes - chápéu, gibão, colete, guarda-peito, perneiras, guarda-pés, botas, luvas, tudo de couro - estarão no vaqueiro baiano encontrado quando Euclides da Cunha escreveu "Os Sertões" que nessa obra chegou a revelar que "As vestes do vaqueiro são uma armadura".

Fonte: "Bahia - Rio São Francisco, Recôncavo e Salvador"

Foto: Marcel Gautherot

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Foto de Édson Nogueira: CASA DO SR. JOÃO AVELINO

CASA DE JANJÃO.

Uma das mais bonitas e mais bem conservadas residências de Xique Xique (BA), mantêm-se inalterada desde a década de 1940, imune aos efeitos da especulação imobiliária que alí já chegou.

Parece até que os herdeiros do Sr. João Avelino, o saudoso JANJÃO, insistem em manter integralmente, a arquitetura da casa construída pelo patriarca para abrigo de uma das tradicionais famílias da cidade.

O nosso fotógrafo foi feliz em fazer a montagem registrando o tradicional imóvel residencial sofrendo a cheia do rio São Francisco no ano de 1940.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Cantinho da Seresta: Músicas Populares

Blog JUAREZ MORAIS CHAVES fez uma seleção de músicas genuinamente brasileiras, tocadas e cantadas na segunda metade do século passado, principalmente nos anos 1960, "cifradas" para violão e que, semanalmente, estarão sendo divulgadas.

Foto Denúncia: MERCADO DE FRUTAS






No dia 25 de janeiro de 2012, o Prefeito Municipal de Xique Xique (BA), Reinaldo Braga Filho, postou, na internete, a seguinte mensagem:

"Mercado de Frutas A Prefeitura de Xique-Xique iniciou as obras de recuperação e modernização do Mercado Municipal de Frutas. Apenas a fachada do prédio será mantida. Todo o restante deve ser modificado: telhado, piso, sanitários, rede elétrica e hidráulica, escadas de acesso, revestimentos, etc...As obras custarão R$ 450.000,00 a PMXX e a previsão é que o novo Mercado seja inaugurado em Julho de 2012".

A providência veio em tempo vez que tanto o interior quanto o exterior do "Mercado Municipal São Francisco" estão a merecer uma urgente recuperação.

Mantida a linha arquitetônica externa e feita reforma do interior, como bem promete o Prefeito Municipal, o Mercado, novamente apresentará a magestosa silhueta e se destacará das demais construções na área comercial em que sencontra.

É uma excelente notícia para todo o povo de Xique Xique que espera, ansiosamente o segundo semestre deste ano para poder desfrutar de um ambiente bonito e higiênico para fazer as compras de frutas e demais gêneros alimentícios.

Foto Interessante em Xique Xique (BA):VELHO BARCO

Não é comum encontrar-se um velho barco abandonado na margem do Rio São Francisco. Normalmente o proprietário tenta de todos os modos fazer com que a embarcação continue flutuando e prestando serviços.

O barco da foto, tudo indica ser de metal e de um formato diferente das tradicionais barcas de madeira que circulam pelo rio, foi abandonado e se encontra totalmente tomado pela ferrugem. Merece o nosso respeito e a nossa homenagem.

Foto: Ronaldo Barbosa

Enchente de 1979 em Xique Xique (BA): Rua Custódio Moraes.

A cheia do Rio São Francisco no ano de 1979, inundou várias cidades ribeirinhas e Xique Xique (BA) foi uma das que mais sofreu com a enchente.

A foto registra a Rua Custódio Moraes, totalmente tomada pelas águas do rio.

Em primeiro plano, à esquerda, destaca-se a casa de João Custódio, que não mais existe, substituída que foi por um pequenas lojinhas construídas pelos herdeiros.

Foto: Afonso

Foto aérea de Xique Xique (BA): Início da rodovia BA.52

CHEGADA A XIQUE XIQUE (BA).

A cidade de Xique Xique está ligada a Salvador pela BA.52, numa extensão de mais de 500 km.

Na foto aérea vê-se o início da referida rodovia que toca a cidade pela sua parte leste.

Ao fundo vê-se o magestoso Lago Ipueira que numa extensão de 15 km de comprimento e uma largura média de 600 metros banha a cidade.

Foto Antiga de Xique Xique (BA): BLOCO CARNAVALESCO

A foto, do ano de 1960, registra alguns jovens xiquexiquenses na folia do carnaval daquele ano.

É interessante destacar que a maioria deles porta um "tubo" de lança-perfume cujo uso ainda era permitido.

No ano seguinte, 1961, por determinação do Governo Federal, o fabrico desse produto foi proibido em todo o Brasil e a partir daí, considerado como droga ilegal.

Evangelho Dominical: CURA DO LEPROSO

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos 1, 40-45.

Naquele tempo, 40 Aproximou-se dele um leproso, suplicando-lhe de joelhos: “Se queres, podes limpar-me.” 41Jesus compadeceu-se dele, estendeu a mão, tocou-o e lhe disse: “Eu quero, sê curado.” 42E imediatamente desapareceu dele a lepra e foi purificado. 43Jesus o despediu imediatamente com esta severa admoestação: 44 ″Vê que não o digas a ninguém; mas vai, mostra-te ao sacerdote e apresenta, pela tua purificação, a oferenda prescrita por Moisés para lhe servir de testemunho.” 45Este homem, porém, logo que se foi, começou a propagar e divulgar o acontecido, de modo que Jesus não podia entrar publicamente numa cidade. Conservava-se fora, nos lugares despovoados; e de toda parte vinham ter com ele. – Palavra da salvação.

Pôr do Sol em Xique Xique (BA): Visto da Avenida J. Seabra

Para quem está em frente ao Colégio Municipal Senhor do Bonfim, esta é a visão de um pôr do Sol em Xique Xique (BA).

Após iluminar por todo o dia a Av. J. Seabra, que fica no sentido leste/oeste, o Sol desaparece por detrás das grandes árvores da avenida deixando bem marcada a silhueta de uma bela tamareira.

Crônica: CARNAVAIS EM XIQUE XIQUE (BA).

ANTIGOS CARNAVAIS EM XIQUE-XIQUE (BA)
Juarez Morais Chaves
O carnaval em Xique-Xique, pequena comunidade do interior baiano, nas décadas de 1950 e 1960, era a festa mais esperada pela população, principalmente os jovens estudantes da cidade. A ansiedade pela chegada do carnaval era contrabalançada pela expectativa do fim das férias, pois geralmente era o último evento que antecedia o retorno para os colégios, naquela época situados em outras cidades. Os foliões, devido à pobreza da comunidade, usavam, nos bailes realizados no Clube Recreativo Sete de Setembro e no Clube Beneficente dos Operários, modestas fantasias produzidas em casa e com materiais adquiridos no comércio local.
Na parte da manhã a movimentação do carnaval era feita exclusivamente pelos rapazes e moças da cidade. Por conta própria montavam pequenos blocos de 10 a 20 pessoas que utilizando diversos tipos de disfarces, tais como máscaras e vestuários do sexo oposto, saiam às ruas ao som de tamborins, tambores e as vezes cuícas, instrumentos rudimentares e feitos com matéria prima local, apenas para terem algo parecido com uma batucada. Essa brincadeira geralmente ia até o meio dia e se limitava a entrar nas casas dos parentes e amigos para saborear um licor ou outra bebida que fosse servida pelo dono.
Lembro-me de uma batucada que organizamos cujos tamborins foram feitos de pele de cobra estirada sobre uma armação quadrada de madeira. Cada um dos foliões fabricava o seu próprio tamborim, tambor ou outro qualquer instrumento de percussão que pudesse fazer barulho nos dias do carnaval e lá se ia, de instrumento em punho, para os ensaios da "bateria" que geralmente aconteciam no jardim da Praça D. Máximo, nos dias em que antecediam o carnaval.
À tardinha, lá pelas 17 horas, quando o sol esfriava, surgia o indefectível “bloco das putas”, formado pelas prostitutas da cidade que moravam na Rua do Perau (Rua Benjamim Constante), tendo a frente um conhecido homossexual que dançando e requebrando ao compasso da música levava o estandarte do cordão. O interessante era que esse bloco, composto exclusivamente de prostitutas e que percorria as principais ruas da cidade não escandalizava a sociedade da época, mas, pelo contrário sempre era esperado e as pessoas se divertiam bastante com os trejeitos e requebros das carnavalescas e principalmente do porta-estandarte.
Encerrado o desfile do bloco das "meninas do perau" a gente ia jantar e se preparar para o tradicional baile que sempre acontecia nos Clubes da cidade a partir das 21 horas. Era o apogeu do carnaval de Xique-Xique. Nesses dias de festa, excepcionalmente, a luz elétrica que apagava às 22:00 horas, permanecia acesa até as 3 da madrugada permitindo assim, que todos os foliões pudessem brincar e voltar, comodamente, para suas residências.
Nesses bailes aconteciam as coisas mais engraçadas provocadas, principalmente, pela cheirada ao lança-perfume, hoje proibido, mas que, naquele tempo, era legal e permitido, em todos os carnavais. Idosos e adolescentes ficavam eufóricos e, sob o efeito do lança, começavam a cantar e a dançar, numa animação nunca vista. Senhoras e mocinhas que não ousavam cheirar o gostoso perfume em público iam para o sanitário feminino e a animação era tanta que se ouviam as boas gargalhadas e gritarias dadas pela foliãs.
Quero deixar uma pequena informação sobre o famoso LANÇA-PERFUME, tão consumido no meu tempo de folião e hoje totalmente desconhecido pela geração pós 1961 ano em que foi proibida a fabricação.O lança-perfume era um acessório indispensável ao folião que quisesse brincar o carnaval na década de 1950. Basicamente era um líquido perfumado, muito volatil, fabricado por uma indústria multinacional e acondicionado, sob pressão, em tubos de metal cilíndrico, em volumes de 100 e 200 gramas, lacrados de modo especial para evitar o vazamento do eter perfumado. Para se usar os lança-perfumes, era necessário extrair o pequeno pino de vedação que vinha nos tubos de metal e substituí-lo por uma bombinha própria, vinda com a embalagem e que era enroscada no orifício da saída do jato de perfume.

Lançar o perfume sobre uma moça era um ato de galanteio e que poderia ser retribuído do mesmo modo caso a jovem possuísse, também um lança-perfume e estivesse interessada no folião. Era o começo de um namoro que as vezes se estendia até depois do carnaval e muitas vezes dava em casamento. Todavia, se a moça paquerada não estivesse interessa no paquerador virava-lhe as costas e continuava a sua folia. O jato lançado em contato com a pele, provocava uma sensação de frescor e de perfume, muito agradável para quem recebia o que provocava entre os casais de namorados uma constante troca de jatos de perfume. No final da festa, as fantasias usadas pelos brincantes estavam totalmente impregnadas de perfume.
No entanto, o que era pura forma de galanteio e uma diversão inocente transformou-se numa atitude perigosa e prejudicial à saúde, quando alguém descobriu que aspirando o perfume pelo nariz ou boca, ficava embriagado e sob os efeitos de uma droga alucinógena, e, se a quantidade absorvida fosse grande, poderia provocar, inclusive, a morte do inalador. Com o passar dos anos o lança-perfume nos carnavais veio a ser utilizado exclusivamente para consumo próprio, com a utilização de lenços e pequenas toalhas envoltas no pescoço do folião que eram embebidas com o líquido perfumado e levadas ao nariz para serem cheiradas, não havendo mais o interesse do folião em lançar os jatos gelados no corpo e na fantasia da mulher amada. Por causa dessa distorção no seu uso e pela constatação de que na realidade se tratava de um tóxico impróprio para a saúde, a sua produção foi proibida em 1961, quando Jânio Quadros assumiu a Presidência da República.
O baile de carnaval, propriamente dito, naquele tempo era, relativamente, pura inocência e ingenuidade. A movimentação dos foliões no salão, se dava em círculos e num só sentido para evitar choques entre as pessoas. O namorado dançava com os braços em volta do pescoço ou da cintura da namorada e essa era a maior intimidade permitida pelos pais que sempre estavam presentes e com fiscalização ostensiva. Um beijinho, sequer, quando se conseguia dar, era uma coisa muito arriscada e que poderia provocar a ida da menina de volta para casa.
O mais interessante dos carnavais de Xique-Xique eram os ensaios realizados semanas antes da festa para que os foliões aprendessem as musicas carnavalescas. Como os meios de comunicações eram deficientes e até o próprio radio era privilégio de poucos, os diretores do clube compravam em Salvador as partituras e letras musicais das marchas e sambas que estavam sendo tocadas, principalmente para o carnaval no Rio de Janeiro. De posse dessas partituras e com a ajuda do músico saxofonista Mário Torres Rapadura, de saudosa memória, ensaiavam-se todas as noites até que a gente estivesse dominando as melodias e as letras das marchinhas e sambas carnavalescos. E assim, naquele tempo, a gente ia brincando o carnaval em Xique Xique.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Arte Sacra na Bahia: AZULEJARIA

Painel da nave da Igreja de Nossa Senhora da Saúde e Glória, na cidade de Salvador (BA), com emolduramento do tipo arquitetônico, autoria de Francisco de Paula Oliveira, transição do século XVIII para o XIX.
É complementado na parte inferior por azulejos marmoreados em roxo e verde.

Pode-se ler a seguinte inscrição: "MENINO ENTRE OS DOUTORES".

Fato Histórico de Xique Xique (BA): IGREJA BATISTA

Fundada a Missão Batista
No dia 05 de junho de 1949, o pastor Gutemberg Nery Guarabira, missionário da Junta de Missões Nacionais da Convenção Batista Brasileira, fundou a Congregação Batista de Xique-Xique (BA), tendo como patrocinadora a Igreja Batista de Barra. Os primeiros fieis congregados foram: Zulmira Andrade, Antonio de Souza Queiroz, Ana Bandeira de Queiroz, João Pereira de Carvalho, Virgínia Carvalho e Nenízia Carvalho.
Os cultos e reuniões eram realizados inicialmente na residência do casal Antonio de Souza Queiroz – Ana Bandeira Queiroz, transferindo-se posteriormente para uma sala emprestada pela irmã Albertina Bastos, na Avenida J.J.Seabra.

Durante alguns anos o Pastor Guarabira, como era conhecido, residiu em Xique Xique (BA), na casa atualmente ocupada por Reinaldo Braga Filho, Prefeito Municipal.

O Pastor Guarabira era pai do cantor e compositor Gaurabira, da dupla Sá e Gaurabira, que passou a infância em Xique Xique.

Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique Chique (História de Chique Chique)" - de Cassimiro Machado Neto.

Travessia do LAGO IPUEIRA em Xique Xique (BA)


videoNo dia 12 de junho de 2011, data do aniversário da cidade de Xique Xique (BA), o artista plástico Carlos Rodão, 45 anos, surpreende a população da cidade com a proposta de atravessar o Lago Ipueira num barco de papel.
O desafio foi cumprido e os 400 metros de largura do Lago Ipueira, em frente à cidade, foram navegados em apenas 9 minutos.


O Blog divulga, agora, a filmagem do grande evento, para que os leitores tomem conhecimento da coragem desse conterrâneo que dasafiou o grande Lago Ipueira pilotando um pequeno barco feito de papelão.


Dinheiro, Deuses & Poder: O TOURO

O touro que aparece nas moedas de Croesus passou por muitas metamorfoses,ou epifanias, geradas no imaginário social de diferentes povos e culturas. Em uma as suas mais populares ressurreições, o touro pode ser visto nas proximidades da Wall Street, em Nova Iorque, Estados Unidos, onde opera como símbolo do mercado de ações em alta.

Fonte: Coleção Spínola - Nomus Brasiliana

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

MERCADO DO PEIXE: IBAMA CHEGA A XIQUE XIQUE (ba)


BANCAS VAZIAS

Em todas as regiões pesqueiras, sejam fluviais ou marítimas, é comum se determinar um período em que a atividade de pesca é suspensa. Esse espaço de tempo em que os pescadores ficam inativos é denominado de DEFESO e ocorre, geralmente, na época da desova dos peixes visando a proteção do pescado.
Nas regiões mais desenvolvidas o DEFESO e religiosamente respeitado, pois isso implica, também, na permanência da atividade pesqueira e na sobrevivência dos pescadores.

Mas, parece que os nosso pescadores xiquexiquenses ainda não se conscientizaram da importância do DEFESO e mesmo nessa época continuam pescando, não obstante o salário que o Governo Federal fornece para que fiquem inativos nessa época.

Na manhã de terça-feira, dia 7 do corrente, os nossos pescadores desobedientes foram surpreendidos por fiscais do IBAMA, que ao flagrarem o ilícito confiscaram não só todo o pescado que estava exposto nas sujas mesas mas também o peixe estocado em geladeiras e congeladores dos comerciantes.
A tradiconal e responsável Colônia dos Pescadores deve aproveitar o evento para daí tirar lições no sentido de conscientizar os seus associados pescadores sobre a importância do período do DEFESO, não só para os indefesos peixes mas também e principalmente para continuidade e sucesso da atividade pesqueira.

EM TEMPO: Já que a atividade pesqueira está paralisada os nossos Poderes Municipais poderiam aproveitar o momento para uma reforma no nosso Mercado do Peixe, nem que fosse pelo menos para ceramicar o piso e azulejar as mesas. Fica a sujestão.
Fonte e foto: Blogdozeca100

AGRADECIMENTO AO NOVO SEGUIDOR

O BLOG JUAREZ MORAIS CHAVES AGRADECE, SENSIBILIZADO, A CHEGADA DE COMANDANTECAMANDA PROMETENDO MANTER A MESMA LINHA EDITORIAL E ESPERANDO PODER CONTINUAR ATENDENDO AS EXPECTATIVAS DE TODOS OS QUE, GENTILMENTE, SE DIGNAM EM ACOMPANHAR ESTE MODESTO BLOG.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Fato Histórico de Xique Xique (BA): ILUMINAÇÃO A VAPOR


ELETRICIDADE EM XIQUE XIQUE

Até o dia 03 de maio de 1936, a cidade de Xique Xique (BA) era iluminada por candeeiros afixados em postes espalhados pelas ruas da cidade e alimentados com querosene ou óleo de mamona.

Todas as tardes funcionários municipais saiam às ruas abastecendo e acendendo as luminárias, retornando por volta das 22:00 h para apagá-las.
Na data acima a cidade deixou de ter suas noites iluminadas por candeeiros porque foi inaugurada a iluminação elétrica, tendo como combustível o vapor d'água, gerada por uma caldeira (foto), importada da Inglaterra pelo Prefeito Municipal coronel Francisco Xavier Guimarães (1934-1937) e instalada na Rua Gois Calmon, num prédio que ficou conhecido como a "Usina" e que até hoje encontra-se de pé.

O evento foi comemorado de modo muito festivo, com discursos de pessoas importantes, como o do Promotor de Justiça Dr. Osvaldo Requião, que se empolgou com a grande conquista e o grande avanço da cidade rompendo a barreira da tecnologia moderna e dando um grande passo no rumo de um mundo mais adiantado e mais civilizado.
Era o dia 03 de maio de 1936.
O importante acontecimento foi motivo de manchetes na 1ª edição do jornal local "O Progresso", de 09 de agosto de 1936, que abriu e estampava pelo menos três manchetes para seus leitores: ‘Passo para a Frente’, ‘Francisco Xavier Guimarães, personificação da grandeza, do decoro e dos ideais reivindicadores de Chique-Chique’ e “Fiat Lux”.

A famosa caldeira importada da Inglaterra forneceu energia à cidade até o ano de 1951, quando foi substituída por um moderno gerador movido a óleo diesel.

Felizmente os nosso administradores municipais tiveram a sensibilidade de instalar a Caldeira na Praça 6 de Julho, numa homenagem ao equipamento que muito serviu a Xique Xique e também para que os jovens se inteirem da história da cidade.

É necessário que esse monumento seja conservado por todas as gerações não só como decoração de uma praça mas como história viva da nossa terra.

Fonte:"Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique Chique (História de Chique Chique)", de Cassimiro Machado Neto.

Pôr do Sol em Xique Xique (BA): PORTO FLUVIAL

É tardinha, hora em que os pescadores retornam do trabalho e ancoram seus paquetes na beira do Lago Ipueira.

Na ânsia de chegarem em casa com o produto da pesca, não param para ver o bonito pôr do Sol que, diariamente se esconde por detras da Ilha do Gado Bravo, deixando seus raios dourarem o Lago.

Arte Sacra na Bahia: AZULEJARIA

Painel de azulejo existente no Cláustro do Convento de São Francisco, em Salvador Bahia, com a seguinte inscrição: "VARIUM/PECUNIAE DOMINIUM", significando O DOMÍNIO DO DINHEIRO É INCERTO".

Fonte: "Bahia: Tesouros da Fé"

Foto: Sérgio Benutti

SENHOR DO BONFIM, NA PRAÇA

SENHOR DO BONFIM, réplica fiel do que está na Igreja do Bonfim, em Salvador (BA), é o Padroeiro da cidade de Xique Xique (BA).

Reza a tradição que é a mesma imagem que foi deixada por um tropeiro no século XVII numa pequenina capela por ele construída, no local em que foi encontrado o seu animal que havia extraviado da tropa carregando a bela imagem do Cristo crucificado. Ao redor dessa capelina, construída em pagamento de uma promessa, surgiu e cresceu a cidade de Xique Xique.

A lenda do tropeiro está integralmente contada na matéria publicada neste Blog, no dia 27 de agosto de 2009, sob o título: "Origem da cidade de Xique Xique (BA)".

Durante mais de 300 anos, Senhor do Bonfim sempre ficou exposto no altar mor da Igreja Matriz, somente saindo em procissão, para uma visita às ruas da cidade no dia 1º de janeiro, data em que o povo homenageia o seu Padroeiro.

Recentemente, o grande artista Xiquexiquense, Carlos Roldão, esculpiu uma nova imagem do Senhor do Bonfim que, graças à sensibilidade da nossa Paróquia, dos Poderes constituidos e do empresariado local, está definitivamente exposta na parte externa da Igreja, em local privilegiado da Praça D. Máximo, abençoando e protegendo o nosso povo.
Foto-montagem: Édson Nogueira

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Evangelho Dominical: MARCOS 1, 29-39

CURA DA SOGRA DE PEDRO


Naquele tempo, 29Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André. 30A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus. 31E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los. 32À tarde, depois do pôr do sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio. 33A cidade inteira se reuniu em frente da casa. 34Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era. 35De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. 36Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. 37Quando o encontraram, disseram: “Todos estão te procurando”. 38Jesus respondeu: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim”. 39E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.

Foto Antiga de Xique Xique (BA): O VAPOR NA PRAÇA

Era assim a Praça Luiz Viana no distante 1949 quando foi alagada pela grande cheia do Rio São Francisco, daquele ano.

Poucas eram as residências e devido a proximidade com a margem do rio, a lâmina d'água apresentava uma adequada profundidade que permitia a livre navegação de um vapor.

Apesar de distante no tempo e da falta de um bom equipamento fotográfico naquela época, a pequena foto apresenta uma excelente resolução talvez obtida com a competência do fotógrafo.

Foto: Chiquinho de Bibi