sábado, 27 de setembro de 2014

Ruas de Xique-Xique (BA): AVENIDA J.J. SEABRA


                                          AVENIDA J.J. SEABRA





 
       A Avenida J. J. Seabra, é a principal de Xique-Xique (BA) e, como um eixo, corta a cidade ao meio, no sentido oeste/leste.
       Essa Avenida foi uma homenagem do Intendente Municipal Coronel Francisco Xavier Guimarães ao Dr. José Joaquim Seabra, Governador da Bahia no período de 1912/1916,  e também, em agradecimento por esse Governador haver, no ano de 1915, restaurado a Comarca de Xique-Xique (BA), tendo, de imediato,  nomeado um Juiz de Direito para a Comarca recém restaurada.
     A Comarca de Xique-Xique, criada no ano de 1857, havia sido extinta no ano de 1892, pelo então Governador da Bahia, Sr. Joaquim Manoel Rodrigues Lima (1892/1896).

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Lago Ipueira em Xique-Xique (BA).

O Lago Ipueira formado pelo Rio São Francisco e que banha Xique-Xique (BA), é uma dádiva de Deus.
A conterrânea Markileide fez um belo registro.
Foto: Markileide Oliveira

Ruas de Xique-Xique (BA): RUA DEMÓSTHENES BARNABÉ




                                   RUA DEMÓSTHENES BARNABÉ DA SILVA
É uma rua paralela ao Rio São Francisco. Começa ao lado do Ginásio de Esportes e acaba  na Rua do Hospital, numa extensão de 1.400 metros. Passa em frente ao Hospital do Coração e a uma creche  em construção. Era a antiga Rua 2.
Demosthenes Barnabé da Silva, ilustre cidadão que deu `seu nome a essa rua de Xique-Xique, nasceu no dia 19.05.1912 e era filho do Sr. Petronílio Barnabé da Silva, comerciante em Xique-Xique e da Sra. Maria Rodrigues Silva.
Aos sete anos de idade foi matriculado na Escola Particular da professora Laura Viana, onde foi alfabetizado.
 Estudou no   Colégio Ypiranga, em Salvador e após concluir o curso ginasial  foi convocado a se incorporar ao Exército, servindo em Sergipe, Alagoas e Rio de Janeiro. Foi secretário municipal em Xique-Xique, em duas ocasiões: na administração do  prefeito Túlio Mendes da Silva (1943-1945) e na do prefeito João Ferreira Filho (1973-1977). Foi funcionário público em São Paulo e depois no Rio de Janeiro. Escreveu crônicas, artigos e poemas fantásticos. Fundou um jornal em Xique-Xique, em 1967.
Demósthenes casou com D. Amélia Magalhães Silva, no dia 15 de junho de 1945, na Igreja Matriz Senhor do Bonfim, em Xique-Xique. A cerimônia foi celebrada pelo padre José de Oliveira Bastos, o  ‘Padre Bastos’.
O casal teve dois filhos: Terezinha Maria Magalhães Silva Alvim e José Magalhães Silva.
Demósthenes faleceu no dia 16 de março de 1974, em Xique-Xique, quando exercia a função de  secretário municipal, na administração do prefeito João Ferreira Filho.
A Câmara Municipal de Xique-Xique o homenageou em duas oportunidades: em 12 de setembro de 1985, criando a Biblioteca Pública Municipal Demósthenes Barnabé da Silva e, pela Lei Municipal nº 287, de 04 de abril de 1988, denominando Rua Demósthenes Barnabé da Silva a antiga Rua Dois, no bairro Polivalente.

 

Foto antiga: DESFILE DA RAINHA DA PRIMAVERA


Em Xique-Xique (BA) apesar de não contarmos com a estação Primavera, a exemplo de todas as cidades do vale do "Velho Chico", era comum, no mês de setembro, no Ginásio Municipal Senhor do Bonfim, a eleição da "Rainha da Primavera", evento promovido com muito entusiasmo pelo Dr. Hélcio Bessa, então diretor daquele estabelecimento de ensino.
Eleita, a Rainha, devidamente paramentada, desfilava por toda a cidade a bordo de um "jeep".
A foto registra um desses momentos.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Foto denúncia: "FAVELA" EM XIQUE-XIQUE (BA)

 



 
E a "favela" continua crescendo em Xique-Xique (BA), na margem do Rio São Francisco poluindo a pouca água que resta e que serve para abastecer a cidade.
O incrível é que nem a Administração Municipal, nem a Câmara de Vereadores, onde trabalham os nossos representantes e muito menos o representante local do brioso Ministério Público da Bahia, se importam com o crime que está sendo cometido contra o "Velho Chico", no que pese estar morrendo pela grande seca.
Até quando os xiquexiquenses continuarão a beber água poluída?

Baixio de Xique-Xique (BA)


                                     O PROJETO DE IRRIGAÇÃO. 
Tomada d'água no Município de Xique-Xique (BA).

     Informo aos seguidores e leitores deste Blog que a população da cidade de Xique-Xique (BA) não concorda com a denominação de "BAIXIO DE IRECÊ" dada ao Projeto de Irrigação que está sendo implantado no Município de Xique-Xique (BA), local onde estão situados o "BAIXIO" A SER IRRIGADO e a ÁGUA necessários à existência do referido Projeto de Irrigação. 

      Denominá-lo de "BAIXIO DE IRECÊ" é um grande equívoco e, acredito mesmo, que os habitantes da cidade de Irecê (BA) não devam sentir-se confortáveis com essa indevida denominação pois, sabem mais que ninguém, que naquele Município não existe "baixio irrigável" e nem água para irrigação além de ficar a uma distância de mais de 100 km da margem do Rio São Francisco, local da tomada d'água e do canal principal, ambos no Município de Xique-Xique (BA), (fotos). 

    Como acredito não serem eles os autores da equivocada denominação e sim que tenha partido de algum técnico que desconhece a realidade dos fatos, bem que os habitantes da cidade de Irecê poderiam ser parceiros dos Xiquexiquenses nesse pleito de mudança do nome do Projeto para "BAIXIO DE XIQUE-XIQUE", a não ser que queiram compactuar com essa usurpação

Canal principal do Baixio, no Município de Xique-Xique (BA).


Canal Principal, no Município de Xique-Xique (BA

sábado, 20 de setembro de 2014

Jornal de Xique-Xique (BA).

                          Jornais de Xique-Xique (BA): "A ORDEM" - Nº 10
                    Jornais de Xique-Xique (BA): PERÍODO DE 1931 A 1932
 Os jornais dessa época registraram toda administração do Prefeito  Municipal Coronel José de Souza Nogueira
 
        A administração do Prefeito Municipal de Xique-Xique (BA), Coronel José de Souza Nogueira (1930-1933),  foi a que teve o maior volume de informações registradas, graças ao surgimento de dois periódicos semanais, que  deram a maior cobertura possível a todos os fatos políticos, sociais, culturais, desportivos, econômicos da gestão daquele Prefeito.
       O Jornal "A ORDEM",  circulou de 17 de julho de 1931 a 20 de dezembro do mesmo ano, totalizando 19 edições semanais consecutivas e
       O Jornal "A LUZ" circulou entre o dia 14 de fevereiro de 1932 a 28 de agosto do mesmo ano, publicando 23 edições semanais consecutivas.
       A partir desta semana este blog estará divulgando resumos das 42 edições desses dois jornais xiquexiquenses, da década de 1930, para que os leitores tomem conhecimento do que acontecia em Xique-Xique naquele tempo.
   OBS: A 9ª edição do "A Ordem", foi publicada, neste blog, no dia 30 de agosto

                              Edição Nº 10 do jornal "A ORDEM"
 
     O número 09 de "A ORDEM",
*Edição número 10:

A edição nº 10 do  jornal "A ORDEM",  de  25 de setembro de 1931, traz a manchete principal intitulada "Estrada de Rodagem", e como subtítulo "De Chique-Chique a Santo Inácio" que, nada mais é do que uma espécie de relatório de uma comissão de notáveis integrada por pessoas que faziam campanha pela construção da dessa estrada. A matéria, datada de 16.09.1931, vem com as seguintes assinaturas: Dr. Britoaldo Gomes Miranda, Aníbal Gomes Miranda, Manoel Alcântara de Carvalho, Artur Raimundo da Silva, Faburino Alves Bessa, Aziz Asmar, Ludgero Alves de Sousa, Francolino Martins dos Santos, Nestor de Sousa Fortes, Eliezer José Leite, Jovelino Martins e Antônio Antunes Bastos. 
     O conteúdo do documento deixa claro que a rodovia já havia sido iniciada, mas que se encontrava paralisada. Apresenta planos para sua conclusão e arrisca: Se não falharem os planos, brevemente o automóvel percorrerá triunfante as ruas de Santo Inácio. A seção intitulada "Em Torno da A ORDEM" é um comentário sobre jornais semelhantes publicados em Juazeiro (BA) – "A LUTA" – e Petrolina (PE) – "O FAROL".
      "Agradecimento" é o título de uma pequena nota assinada por pelo Sr. José Guedes apresentando e demonstrando gratidão às populações da Vila de Irecê e do arraial de Lapão pelas gentilezas e obséquios dispensados ao filho Osmar de Magalhães Guedes e ao ilustre sargento Manoel Passos e a Cincinato Andrade e esposa. A primeira página termina com a matéria "Impressionantes Profecias", transcrevendo matéria de uma revista ocultista estrangeira de nome The West.
    Na página dois, Dona Graça escreve  uma coluna fixa denominada "Imitações", trazendo o assunto "Sai da Frente, Chico" em uma crônica humorada; em seguida vem "Filsofando", assinada pelas iniciais SM. Outra crônica do cotidiano, datada de 06 de agosto, do Sr. Aldo Brito  sob o título "Como ou Comu?", fazendo uma abordagem sobre ortografia; há, pela primeira vez um anúncio publicitário na página dois: é a "LOJA PIAUIENSE", do Sr.  Francisco Ferreira Lustosa, com endereço na vila do Icatu, distrito da cidade de Barra.
Como ocorre desde a primeira edição, a página três publica exclusivamente anúncios comerciais.
    A página quatro inicia com a notícia de "Um Passeio" de  automóveis pelas cidades de Mundo Novo, Morro do Chapéu, Cafarnaum, Canabrava do Gonçalo e Chique-Chique. Depois traz sob o título "Novo Interventor Baiano" a notícia de que tomou posse no dia 19, o novo interventor baiano tenente Juraci Magalhães em substituição ao general Raymundo Barbosa. O próprio ex-interventor passou telegrama para o Prefeito de Xique-Xique, coronel José de Souza Nogueira, dando-lhe a notícia de sua substituição no cargo. Com o título "Parece Azar" o jornal comenta que o nome "João Pessoa" dá azar, pois que um vapor com este nome sofreu um desastre fatal nos últimos noventa dias e agora uma lancha com o mesmo nome também se afundou; tudo no Rio São Francisco. Outro assunto da página focalizada é a "Falência de João Xavier Guimarães". Em seguida a lista de aniversariantes da semana; um edital da Prefeitura de Xique-Xique notificando contribuintes em atraso com a Fazenda Municipal a saldarem seus débitos. Uma pequena nota "Enfermo", informa sobre a situação de saúde do coronel Lithercílio Rocha.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Enchente de 1979 em Xique-Xique (BA).


   A cheia do rio São Francisco no ano de 1979 foi um das maiores e inundou grande parte da cidade forçando alguns moradores a se mudarem para as ruas mais afastadas.
  A foto acima registra o trecho da Av. J. Seabra, na parte entre o Banco do Nordeste e a Praça D. Máximo, totalmente tomada pelas águas. Ao fundo, a antiga residência do Sr. Ascendino,  que foi demolida para dar lugar ao posto de gasolina de Diogo Lacerda.
   A foto de baixo, também, é da Av. J. Seabra, nas imediações da casa do Sr. Chico Neiva, mostrando, ainda, restos da inundação.
Foto: Afonso 

Foto aérea de Xique-Xique (BA).


         Bonito ângulo de Xique-Xique (BA), visto a partir do lado sul  da cidade, na altura do Parque Aquático.
      À esquerda o Rio São Francisco.
Foto: Markileide Oliveira

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Aconteceu no século XX: ELEIÇÕES PARA PREFEITO E VEREADORES


Eleições para prefeito e vereadores
– 21 de dezembro de 1947 –

      Obedecendo ao calendário eleitoral estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral, no dia 21 de dezembro de 1947 aconteceram eleições para Prefeito Municipal e Vereadores.
    Passou pela cabeça de algumas pessoas a possibilidade do então Prefeito Municipal de Xique-Xique (BA), Sr. Custódio B. Moraes renunciar ao atual mandato, afastando-se do cargo, para ser um dos candidatos a prefeito municipal da cidade, naquela data prevista pelo TSE.
Mas o grupo político do qual o prefeito Sr. Custódio B Moraes fazia parte estava inclinado a escolher o Sr. Aurélio Gomes de Miranda para concorrer ao cargo, contra o candidato José Peregrino de Souza, representante da vila de Tiririca.
Achava-se em aberto a questão da escolha das candidaturas para as eleições municipais de 21 de dezembro de 1947.
Como não poderia deixar de ser, para a Câmara de Vereadores – a primeira a ser eleita desde o século XIX –, tanto a sede quanto os distritos (Marrecas, Ibiacema, Tiririca, Uibaí e Central, assim também os povoados de Lagoa de Canabrava, Chapada do Jacaré e Gabriel apresentaram candidatos.
Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique", de Cassimiro Neto.
496

Aconteceu em Xique-Xique (BA), no séc XIX.


Câmara cumprimentou Dom Pedro II por vitória parcial

No dia 30 de janeiro de 1866 a Câmara Municipal de Xique-Xique (BA) encaminhou Ofício à Sua Majestade Imperador Dom Pedro II,  em nome da população do município de Xique-Xique, saudando e cumprimentando Sua Majestade pelo triunfo das tropas brasileiras na Batalha de Uruguaiana, na Guerra do Paraguai.
Assinaram este ofício os seguintes vereadores: Manoel Pereira Bastos – vice-presidente, João Batista Avelino, Joaquim Alves Machado, Maximiano Pereira da Franca e Antônio Francisco da Lima Fé.
Fonte: "Senhor do Bonfim e bom Jesus de Chique-Chique", de Cassimiro Neto.
104

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Barcas que navegam no São Francisco: DINAMARCA e ARCA DA ALIANÇA


  As barcas "Dinamarca" e "Arca da Aliança" navegam por todo o rio São Francisco e, são usuárias constantes do porto fluvial de Xique-Xique (BA).

Ruas de Xique-Xique (BA): PRAÇA DOM MÁXIMO.

Parte central do jardim da Praça.

Parte central do jardim da Praça.

Jardim

Lado norte da Praça.

Segundo a tradição a  Praça Dom Máximo foi o primeiro logradouro de Xique-Xique (BA), pois, fora ali que, segundo a lenda da origem da cidade,  teria sido construída uma capela para  colocar a imagem do Senhor do Bonfim, que até hoje está na atual Matriz, situada na mesma praça e, no mesmo local, segundo os velhos moradores. 
     Pelos registros históricos, a Praça é mencionada  antes de 1700, quando afirmam que nesse  ano, ali já habitava uma pequena comunidade de pescadores que tinha como denominação   "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique" .
     O nome de Dom Máximo foi outorgado por decreto de 06 de julho de 1932, quando do centenário da cidade, pelo Prefeito Municipal coronel José de Souza Nogueira (1930-1933), em homenagem a um sacerdote xiquexiquense que se tornara bispo em uma cidade maranhense.
     O jardim foi construído na  administração do Prefeito Municipal Sr. João Rodrigues Soares, que governou a cidade de janeiro de 1951 a abril de 1955.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

História de Xique Xique (BA): CUMPRIMENTOS À FAMÍLIA IMPERIAL


Princesa Isabel e o Conde D'Eu 
A Câmara cumprimenta a Família Imperial
– 1865 –
Em 16 de janeiro de 1865 a Câmara Municipal de Xique-Xique (BA) realizou uma sessão extraordinária para elaborar uma mensagem de cumprimentos a Sua Majestade Imperador Dom Pedro II pelos enlaces matrimoniais de suas filhas Sua Alteza Princesa Isabel com o Conde D’Eu e a  2ª Princesa Dona Leopoldina  com o Duque de Saye, encaminhando tais cumprimentos através dos senadores Visconde  de Jequitinhonha,  José Mariani, Francisco Bonifácio de Abreu e Antônio Duarte da Silva e suas digníssimas esposas.
Nomes dos vereadores que assinaram a mensagem cumprimentando a Família Imperial brasileira: José Rufino de Magalhães – presidente, João Batista Avelino, José Antônio Garrido, Manoel Pereira Bastos, Joaquim Alves Machado, Maximiano Pereira da Franca e Manoel Fulgêncio de Azevedo.
O secretário administrativo da Câmara Municipal de Xique-Xique, Juvêncio Rodrigues Ribeiro, observa que os casamentos das duas princesas ocorreram em 1864. Apesar disso, defendeu o secretário administrativo, que ainda estava em tempo dos vereadores de mandarem a mensagem de cumprimentos à Família Imperial brasileira.
Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique-Chique" , de Cassimiro Neto.
 
103

Estaleiro de Xique-Xique (BA): BARCA ABANDONADA


Essa barca, abandonada na margem do Rio São Francisco que banha a cidade bem que poderia ser restaurada pelo estaleiro de Xique-Xique (BA), substituindo o casco de madeira por um de aço.

Adutora do Rio São Francisco: CIDADE DE XIQUE-XIQUE (BA)


                         Adutora do Rio São Francisco: XIQUE-XIQUE (BA).
 


 Cidade de Xique-Xique (BA), local da captação da água.
 
 Xique-Xique (BA), cidade na margem do Rio São Francisco, fornecedora da água.
 
Centro Histórico da cidade de Xique-Xique (BA).


A Adutora vara a seca caatinga, paralela à rodovia BA.52 (Xique-Xique  a Salvador).. 



Captação da água em Xique-Xique (BA).
     Com investimento de R$ 182 milhões de reais, foi inaugurada em maio de 2013, "Adutora do Rio São Francisco" que, partindo da cidade de  Xique-Xique (BA), onde capta água do Rio São Francisco, é uma das maiores do Estado e vai abastecer mais de 330 mil pessoas em dezesseis municípios situados na região da caatinga baiana, entorno do Município de Irecê (BA).
      A partir da captação da água em Xique-Xique (BA), primeira etapa, foram implantadas cinco estações elevatórias e, em Itaguaçu da Bahia (BA), uma Estação de Tratamento de Água (ETA).
       A Adutora do Rio São Francisco foi realizada em três etapas: a primeira de Xique-Xique (BA) até Itaguaçu da Bahia (BA); a segunda fase compreende o trecho  entre Itaguaçu da Bahia (BA)  e a cidade de Central (BA), a 75 km de Xique-Xique (BA). A terceira etapa da obra  vai da cidade de Central (BA) até a cidade de Irecê (BA).
      Da captação em Xique-Xique (BA)  a água destinada à população da região beneficiada percorre 122 quilômetros e foi a alternativa encontrada para o atendimento das  16 cidades situadas na  caatinga baiana que, atualmente, continua sofrendo com a falta de chuvas.



Adutora rasga a caatinga rumo às 16 cidades sem água

sábado, 13 de setembro de 2014

Pôr do Sol em Xique-Xique (BA): Rodovia BA.52

Pôr do Sol em Xique-Xique (BA) visto da entrada da cidade (rodovia BA.52).

Xiquexiquense ilustres: DILSON DE SOUZA NOGUEIRA


DILSON DE SOUZA NOGUEIRA, nasceu no dia 9 de setembro de 1933, filho do Sr. Hermenegildo de Souza Nogueira e de D. Erotides Bessa Nogueira. Depois de estudar o curso primário em sua terra natal, Dílson foi estudar os cursos ginasial, científico e superior (de Farmácia), na cidade de Salvador (BA). Concluído o curso superior, Dílson ingressou no quadro de servidores públicos estaduais da Bahia. Casou com a Sr. Maria Cristina Nogueira e da união tiveram duas filhas: Anete e Vânia.
Dílson Nogueira ingressou na carreira político-partidária, candidatando-se a uma vaga para deputado estadual, nas eleições de 1966, elegendo-se. Cumpriu  mandatos na Assembleia Legislativa da Bahia nos períodos de 1967/1970, 1971/1974 e 1975/1979. No cumprimento normal do terceiro mandato, o deputado estadual Dílson  Nogueira surpreendeu  a seus eleitores por ter  renunciado ao mandato e a sua carreira política, após três mandatos consecutivos e doze anos representando o município e a região de Xique-Xique na Assembleia Legislativa da Bahia.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Arte Sacra na Bahia: SÃO FRANCISCO DE ASSIS

 
       Cenas da vida de São Francisco em que ele renuncia aos bens paternos, devolvendo mesmo as roupas que vestia. c. 1737
Capela-Mor da Igreja do Convento de São Francisco.
Fonte: "Bahia: Tesouros da Fé"
Foto: Sérgio Benutti

Gestores de Xique-Xique (BA): CORONEL PRAXEDES XAVIER DA ROCHA - 5º Intendente


As eleições municipais de 12 de novembro de 1899 resultaram na escolha dos nomes do Coronel Praxedes Xavier da Rocha, para o  cargo de Intendente Municipal e dos Conselheiros Municipais representados pelo cidadãos coronel Antônio da Silva Paiva, major Jacó Pereira Bastos, coronel Joaquim de Figueiredo Rocha, coronel Cyro de Medeiros Borges e coronel Francisco José Correia. 
Essa nova administração da cidade tomou posse no dia 28.05.1900 para um mandato que foi até 28.05.194.
Governaram o Brasil: Manuel Ferraz de Campos Sales (15.11.1898/15.11.1902) e Francisco de Paula Rodrigues Alves (15.11.1902/15.11/1906).
Governou a Bahia: Dr. Severino dos Santos Vieira  (28.05.1900-28.05.1904).
O coronel Praxedes Xavier da Rocha assumiu a Intendência Municipal  no momento em que os preços da borracha de maniçoba começavam a dar sinal de queda no mercado internacional, fazendo os empreendedores da exploração da importante matéria-prima arrefecer a produção.
O ano de 1901 foi o pior dos quatro anos da administração do coronel Praxedes Xavier da Rocha, devido à assoladora seca que se abateu sobre o município, matando de fome dezenas de moradores da região da caatinga.
Fonte: "Senhor do Bonfim e Bom Jesus de Chique Chique" de Cassimiro Neto 
190
 
 

                                         

Grande seca de 1901 causa calamidade na caatinga

O ano de 1901 foi o pior dos quatro anos da administração do coronel Praxedes Xavier da Rocha, devido à assoladora seca que se abateu sobre o município de Chique-Chique, matando de fome dezenas de moradores da região da caatinga.
190

Foto do Rio São Francisco: DESCANSO DO BARQUEIRO


      Durante um pequeno intervalo na faina diária, o barqueiro aproveita para um pequeno descanso e utiliza como apoio a velha carranca da antigas barcas de tolda.
Foto: Marcel Gautherot

domingo, 7 de setembro de 2014

Simbolos da cidade de Xique-Xique (BA): HINO, BRASÃO E BANDEIRA


                 SÍMBOLOS DE XIQUE-XIQUE (BA): HINO, BRASÃO E BANDEIRA.
    A nossa Xique-Xique, como as demais cidades do mundo, possui, também, os seus símbolos representados pelo BRASÃO, pela BANDEIRA e, principalmente, pelo  seu HINO, criados pelo ilustre Professor ANTÔNIO RAMOS FEIRENSE.
    Para que esses símbolos se tornem conhecidos e portanto amados - "não se ama o que não se conhece" - este  Blog está fazendo a divulgação deles, pois acredito que grande parte dos conterrâneos  os conhece  superficialmente e talvez nunca tenham ouvido a música e lido a letra do nosso belo Hino.
Por falar nisso, sempre que alguém abrir o Blog de Juarez Morais Chaves (www.xiquexiquense.blogspot.com),   ouvirá, como fundo musical, o hino da nossa cidade.

BRASÃO  E  BANDEIRA DE XIQUE-XIQUE (BA).

INSÍGNIA:
     Coroa mural prateada com quatro torres, representativas  do domínio e do Município.

ESCUDO:
FIGURAS - O Sol em posição de nascer ou se pôr, simboliza o cidadão xiquexiquense que, do nascer ao morrer, deve irradiar a luz e a energia do seu valor pessoal, visando o seu bem e o bem da comunidade.
                    - O PX, símbolo grego que significa Jesus Cristo, simboliza uma homenagem especial ao mesmo Jesus /cristo, que sob a invocação do Senhor do Bonfim, é o Padroeiro do Município. Na curva da letra  "P" e na forma de setas encontradas  em sua haste, o símbolo sugere, também uma homenagem às tribos indígenas que habitavam a região. O "X" do símbolo com o "X" formado  pelos dois peixes, representam as iniciais do topônimo Xique-Xique.
                    - Os Peixes, em posição de emergência do Rio São Francisco simbolizam a pesca, uma das principais atividades do Município e de expressiva significação  sócio econômica e alimentar da região.

CORES:
     - As cores verdes, amarelo, azul e branco, acrescentadas do vermelho, sugerem uma homenagem especial ao Brasil e à Bahia.
          Em termos municipais simbolizam:
          O Verde - Todas as atividades nos campos, e o xique-xique, cacto do qual veio o topônimo do Município.
          O Amarelo - O ouro e demais minérios do solo xiquexiquense e a luz da fé e da intelectualidade do seu povo.
          O Azul - O Rio São Francisco com toda a sua expressiva importância na história e desenvolvimento do Município
          O Branco - A pureza de costumes que gera e garante a paz, e as virtudes teologais (Fé, Esperança e Amor), também indispensáveis no uso dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.
          O Vermelho - O amor e o sacrifício do povo xiquexiquense pelo progresso e bem-estar do seu Município.

LISTEL
       No Listel, em ouro sobre azul, o topônimo do Município e a data de sua Emancipação Política e Administrativa (06 de julho de 1832).

HINO AO MUNICÍPIO DE XIQUE-XIQUE 

                Letra e Música de Ramos Feirense
De uma Ilha a mirar o teu ouro
Que das serras douravam horizontes,
Tua História, qual outro tesouro,
Resplandece entre vales e montes.
A bravura do índio aguerrido,
E do branco a audácia sem par,
Com a ternura do negro sofrido
São as bases do teu triunfar.

 Coro - Pelos campos, garimpos e rios,
Nos distritos e nos povoados
Os teus filhos cultivam teus brios
Por seus feitos, no amor, sublimados.
Glória a ti entre cactos e flores
Sempre amando e servindo ao Brasil!
Glória ti que a Deus canta louvores!
Glória a ti Xique-Xique gentil !

Em poética expressão só de amor
A beijar o teu Rio São Francisco,
Por ti o Sol do nascer ao se pôr,
Agradece-lhe o peixe e o marisco...
No Evangelho de Cristo inspirado,
Só bondade teu povo pratique
Pra que tenhas viver pontilhado
De mil glórias, feliz Xique-Xique!


   OBS.: Esses Símbolos de Xique-Xique (BA) foram elaborados na administração do Prefeito Municipal Sr. Carlos de Souza Santos, gestor do Município no período de 1983/1989.

   Seria bom que  as nossas Escolas Fundamentais, mantidas pelo Município de Xique-Xique, fizessem a divulgação, em sala de aula, desses símbolos e, nas comemorações ali realizadas bem como na festa da cidade, o nosso  hino fosse tocado e cantado pelas emissoras de rádio e outras mídias.

TEMOS QUE VALORIZAR O PRESTIGIAR 
O QUE É NOSSO

Barcas de "tolda" que navegavam o Rio São Francisco.

 
        Excelente desenho que bem mostra uma "barca de tolda". A tolda era a cobertura geralmente feita de palha de carnaúba que protegia do Sol  o dono da barca ou mesmo toda a sua família, nas demorada viagens.
       Além da "tolda" essas barcas tinham, ainda, a tradicional carranca.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Lago Ipueira: PORTO FLUVIAL EM XIQUE-XIQUE (BA)



       O Lago Ipueira, formado pelo Rio São Francisco que banha Xique-Xique (BA), se constitui num dos maiores e mais movimentados portos do "Velho Chico", com grande de barcas nos finais de semana quando se realiza a feira livre da cidade. 

Ruas, Praças e Avenidas de Xique-Xique: RUA DR. CLODOALDO AVELINO




                                         RUA DR. CLODOALDO AVELINO
     A Rua Dr. Clodoaldo Avelino, começa ao lado do Colégio Eduardo Magalhães, passa em frente à Igreja de São Francisco, nos fundos do Colégio Senhor do Bonfim (Estádio Hélcio Bessa) e após percorrer 1.000 metros de extensão, acaba no muro do Cemitério. É uma rua paralela ao Rio São Francisco.
Dr. Dozinho
Dr. Clodoaldo de Magalhães Avelino, ilustre xiquexiquense que dá nome à rua, foi o primeiro filho de Xique-Xique que se graduou em Medicina. Nasceu no dia 23 de janeiro de 1899,  filho do Cel. Agrário de Magalhães Avelino e de D. Francisca de Magalhães Avelino e era carinhosamente chamado de  ‘Dozinho’, pelos familiares e  amigos.
Fez o curso primário em Xique-Xique, na escola isolada da Profa. Josefina. Em seguida foi para Salvador onde cursou o ginásio e colegial no Ginásio Ipiranga e Colégio Carneiro Ribeiro, respectivamente. Ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia, formando-se no ano de 1924, tendo mais tarde se doutorado oftalmologia.
Dr. Dozinho, além de médico foi professor e militar. Fundou em Xique-Xique o “Centro Espírita Agostinianos”, a “Escola José Petitinga” e o “Hospital Ana Avelino”, hoje extinto.
Trabalhou em Xique-Xique (BA), em Barreiras (BA), Januária (MG) e Belo Horizonte (MG), tendo, por onde passou, prestado, voluntária e gratuitamente, às camadas mais humildes, inúmeros serviços profissionais e de assistência social.
Em Xique-Xique a Prefeitura e a Câmara Municipal além de darem o seu nome a uma das principais ruas da cidade inauguraram-lhe, no centenário do seu nascimento – 23.01.99 - um busto na Praça Allan Kardec.
Doutor Clodoaldo de Magalhães Avelino se casou duas vezes. Em primeiras núpcias com D. Adelaide de Campos Avelino, ficando viúvo. Em segunda núpcias com D. Honorina Xavier Avelino. O Doutor Dozinho não teve filhos.
Faleceu no dia 13 de setembro de 1985, aos 86 anos de idade, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais, onde foi sepultado. Na oportunidade, a Prefeitura de Xique-Xique decretou luto oficial por três dias. 
      

Foto Antiga de Xique-Xique (BA): INAUGURAÇÃO DO CINE BONFIM


Registro da inauguração do novo prédio do Cine Bomfim, situado na Av. J. Seabra, de propriedade do empresário Custódio Moraes.
Atualmente, neste prédio, funciona o GEMIX.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Foto Denúncia: Favela em Xique-Xique (BA).




        A "favela" de Xique-Xique (BA) que se instalou na margem do Rio São Francisco, continua crescendo a todo vapor e poluindo a pouca água que resta do Lago Ipueira.
      Mesmo com a grave notícia de que  a nascente do "Velho Chico" secou a Administração do Município continua  omissa e fazendo de conta que não tem nada com isso.
      Os Vereadores, nossos representantes, neste momento só estão preocupados em carrear os votos dos incautos para os seus candidatos.
      O representante local do nosso brioso Ministério Público da Bahia, parece que se esqueceu de que uma da suas principais funções é zelar pela preservação do meio ambiente.
       Assim fica difícil restaurar o Grande Rio.